mídias sociais, solidão e depressão

Nova pesquisa sobre mídias sociais, solidão e depressão

Psiquiatria, Tecnologia

Você provavelmente já ouviu falar que gastar muito tempo nas mídias sociais pode levar uma pessoa a se sentir pior. Plataformas de mídia social, como Facebook e Instagram, que prometem nos manter mais conectados, podem de fato estar deixando alguns de nós mais solitários.

Pesquisa antiga

Os estudos que concluíram que as mídias sociais têm consequências negativas foram principalmente os chamados estudos “correlacionais”. Ou seja, os pesquisadores descobriram que as pessoas que usam muitas mídias sociais têm uma taxa mais alta de depressão.

Mas o que veio primeiro? As próprias mídias sociais tornaram as pessoas deprimidas? Ou talvez as pessoas que usam muitas mídias sociais já estejam deprimidas e usem as mídias sociais, geralmente sem sucesso, como uma forma de fazê-las se sentir melhor?

Nova pesquisa

Para encontrar a resposta, pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, liderados pela psicóloga Melissa C. Hunt, realizaram um tipo diferente de estudo. Eles recrutaram 143 estudantes universitários, 108 mulheres e 35 homens, todos usando Facebook, Instagram e Snapchat. Eles os distribuíram aleatoriamente em dois grupos diferentes.

Um grupo foi instruído a continuar usando suas redes sociais como normalmente faria. O outro grupo foi instruído a limitar seu uso total a 10 minutos por aplicativo por dia (30 minutos no total). Os pesquisadores puderam verificar se os alunos cumpriam, já que a cada dia eles enviavam printscreens que mostravam seu uso diário.

Resultados

No início do estudo, os estudantes foram submetidos a testes de humor, que mediram o grau de solidão, ansiedade, depressão e “medo de perder”. No final do estudo de três semanas, todos foram novamente testados nas mesmas áreas.

Os resultados mostraram que os alunos do grupo que limitava o uso de mídias sociais eram significativamente menos deprimidos e solitários do que os estudantes que usavam suas redes sociais normalmente. E os alunos que estavam mais deprimidos no início do estudo foram os que mais se beneficiaram com a limitação de seu uso. Alguns alunos que começaram com um nível moderado de depressão caíram para um nível leve quando diminuíram o uso as mídias sociais.

Redes sociais e falsas realidade

Quando você interage com uma pessoa cara a cara, você pode ver (e frequentemente compartilhar) as partes ruins e boas da vida. Nas mídias sociais, especialmente no Instagram, as pessoas compartilham apenas seus melhores momentos. Embora isso não represente uma intimidade verdadeira, algumas pessoas que veem as mensagens acreditam, de certa forma, que a maioria das pessoas está vivendo uma vida mais feliz que a delas.

A mídia social não oferece a “mistura saudável” de bom e ruim que define relacionamentos verdadeiros e intimidade real.

Outro motivo pelo qual as mídias sociais podem deixar as pessoas deprimidas é que elas roubam o tempo que deveria ser destinado a estudar ou de fazer as coisas acontecerem. Essas pessoas gastam menos tempo em interações reais e seus relacionamentos online não nutrem sua mente e alma tanto quanto elas acreditam.

O que fazer

Reduzir o uso de mídias sociais pode melhorar seu humor e diminuir a depressão e a solidão, especialmente se você está se sentindo deprimido. Assim como alguns estudantes que participaram do estudo, você pode se dar conta de que você não precisa de todos os aplicativos que usa – e que gastar todo esse tempo conversando com outras pessoas online não é tão bom.

Lentamente, muitos de nós nos tornamos viciados online e a cura é diminuir ou mesmo cortar alguns desses aplicativos completamente. Só então você conseguirá perceber o que está perdendo na vida real.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

11 sintomas menos conhecidos da depressão

Como evitar os perigos para a saúde de muita exposição à luz azul

Esta postagem também está disponível em: Inglês

Médicos recomendados

Estes são alguns médicos recomendados na ProcuraMed.

VEJA MAIS MÉDICOS