esperança para redução da demência

Pesquisa apontam uma esperança para redução da demência

Uma pesquisa apresentada nesta semana durante a Conferência Internacional Anual da Associação de Alzheimer chamou muita atenção. O estudo mostrou que o tratamento mais agressivo da hipertensão arterial diminui significativamente o risco de “comprometimento cognitivo leve”, uma condição que normalmente leva à demência ao longo do tempo.

Esta pesquisa foi parte de um estudo maior sobre o controle da pressão arterial, chamado de SPRINT, que se propôs a determinar se o controle da pressão arterial de forma mais agressiva (para tentar obter a pressão do paciente abaixo de 120 mm sistólica) diminuiria o risco de doença cardiovascular. No passado, a maioria dos médicos que tratavam a pressão alta usava uma meta abaixo de 140 mm para a pressão sistólica do paciente.

O estudo SPRINT foi concluído em 2015, antes da data de término planejada, porque os resultados já se mostravam muito claros – que sim, tratar a pressão arterial de forma mais agressiva realmente diminuiu o risco de ataques cardíacos e derrames. Embora os pesquisadores estivessem interessados ​​principalmente no risco de doenças cardiovasculares, eles também mediram a taxa de demência e declínio cognitivo leve (pré-demência) em quase 10 mil pacientes do SPRINT.

Redução da demência

As pessoas que participaram do estudo tinham em média 68 anos de idade. Os resultados mostraram aquelas que tinham suas pressões controladas abaixo de 120 mm sistólicas apresentavam 19% menos probabilidade de desenvolver comprometimento cognitivo leve em comparação com as pessoas controladas abaixo de 140 mm. Estes voluntários, homens e mulheres, foram estudados ao longo de 5 anos.

O estudo mediu o estado mental de todos os participantes e, em alguns, exames cerebrais por ressonância magnética foram realizados no início e no final do estudo. As varreduras em pessoas controladas de forma mais agressiva para a pressão arterial mostraram um número reduzido de lesões na substância branca do cérebro em comparação com pacientes menos controlados. Essas lesões geralmente são causadas por micro-sangramentos no cérebro, portanto, os resultados mostraram que uma pressão arterial menor diminuiu o risco desses sangramentos.

Resultados controversos

Os resultados ainda são controversos, pois alguns médicos relutam em tratar a pressão arterial de forma tão agressiva. A preocupação é que, se a pressão se tornar muito baixa, as pessoas terão mais efeitos colaterais, como tontura, e talvez aumentem a frequência de quedas. No entanto, os participantes do SPRINT mantidos nos alvos de menor pressão arterial não apresentaram maior número de quedas ou problemas sérios.

Sua pressão

Converse com seu médico para ver se sua pressão arterial está sendo controlada adequadamente. Uma maneira boa e fácil de checar sua pressão é fazer suas próprias leituras em casa. Se você estiver interessado em reduzir o risco de perda mental ao longo da idade (como todos nós), fique de olho na sua pressão arterial. Controlá-la de forma mais agressiva pode ajudar a preservar seu cérebro à medida que você envelhece!

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

Como auto monitorar sua pressão arterial em casa

12 maneiras para ajudar prevenir a doença de Alzheimer

Esta postagem também está disponível em: Inglês