Novas advertências para um antibiótico

Novas advertências para um antibiótico comumente prescrito

Todos sabemos que os antibióticos têm possíveis efeitos colaterais. Alguns tipos de antibióticos, como a classe da penicilina, são normalmente considerados entre os mais seguros. No outro extremo, o cloranfenicol é um exemplo de um antibiótico com uma taxa muito maior de efeitos colaterais graves – e que, felizmente, é raramente receitado nos dias de hoje.

Mas há um tipo de antibiótico, da classe das fluoroquinolonas ou “quinolonas”, que ainda é comumente prescrito e apresenta um risco maior de complicações graves (além das complicações possíveis na maioria dos outros antibióticos). É improvável que um médico prescreva cloranfenicol para você, mas é bem provável que você possa receber uma receita para um antibiótico do grupo das quinolonas, como o Cipro (ciprofloxacina).

Cipro – antibiótico de amplo espectro

O Cipro e os antibióticos da classe das quinolonas (como o Levaquin) têm sido populares entre os médicos porque são “de amplo espectro” e podem curar uma ampla gama de infecções. Eles são frequentemente prescritos para sinusite, infecções urinárias, brônquicas, de ouvido e próstata, e geralmente funcionam bem. No entanto, especialistas em doenças infecciosas alertam médicos há mais de uma década sobre os perigos das quinolonas.

Cipro altamente rentável

O Cipro e a classe de antibióticos das quinolonas têm sido amplamente comercializados e se mostram extremamente lucrativos para a indústria farmacêutica. Esse marketing tem sido tão eficaz que muitas pessoas, até mesmo muitos médicos, não estão cientes ou não parecem reconhecer os potenciais efeitos colaterais graves das quinolonas. No entanto, as autoridades de saúde têm, há mais de uma década, divulgado alertas sobre elas. A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA acaba de lançar outro alerta forte sobre as quinolonas, com novos efeitos colaterais potenciais.

O novo aviso de quinolona

A nova preocupação é que as quinolonas podem (incomumente) levar a distúrbios mentais, incluindo desorientação, perda de memória e alucinações. O novo aviso também menciona que podem levar a níveis severamente baixos de açúcar no sangue. Houve casos de “coma hipoglicêmico” de níveis extremamente baixos de glicose no sangue entre usuários deste medicamento.

Os avisos anteriores de quinolona

Estas são apenas algumas das advertências especiais que já haviam sido feitas sobre as quinolonas, emitidas pela FDA dos EUA:

2008 – Maior risco de tendinite e ruptura do tendão, que pode ocorrer meses após a interrupção do antibiótico, incluindo ruptura espontânea do tendão de Aquiles

2013 – Risco de danos permanentes e irreversíveis nos nervos periféricos

2016 – Reenfatizou a gravidade dos possíveis efeitos incapacitantes e permanentes dos tendões, músculos, articulações e nervos, e as quinolonas foram aconselhadas a serem usadas somente quando nenhum outro antibiótico mais seguro estiver disponível.

Antibióticos cobertos por esses avisos

Levofloxacina (Levaquin e outros), ciprofloxacina (Cipro e outros), ciprofloxacina comprimidos de liberação prolongada, moxifloxacina (Avelox), ofloxacina, gemifloxacina (Factive) e delafloxacina (Baxdela). É possível que outras marcas estejam disponíveis em formato genérico. Para ter certeza, pergunte ao seu médico ou farmacêutico.

E se meu médico prescrever um antibiótico quinolona?

Primeiro, se você se sentir confortável, pergunte ao médico se um antibiótico é realmente necessário. Infelizmente, e muitas vezes para satisfazer o paciente, antibióticos são prescritos para situações em que não fazem efeito – por exemplo, para infecções por vírus.

Em segundo lugar, você deve perguntar ao médico quais são os riscos deste medicamento ou tratamento e, em terceiro, se existe uma alternativa mais segura. Os antibióticos de quinolona são antibióticos importantes, e seu uso é por vezes justificado, mas apenas quando uma alternativa mais segura não é eficaz.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

Keytruda— A nova droga para combater cânceres avançados

Aspirina aumenta sobrevivência em casos de cancer

Esta postagem também está disponível em: Inglês