mulheres jovens podem diminuir riscos de ataque cardíaco

Como mulheres jovens podem diminuir riscos de ataque cardíaco

Mais Saúde Woman,

Quando pensamos nos problemas de saúde das mulheres, muitas pessoas, incluindo médicos, pensam primeiro em doenças como o câncer de mama. Esse é, de fato, um problema sério, mas muitos esquecem que a maior causa de mortalidade, tanto em homens quanto em mulheres, não é o câncer, mas a doença cardíaca.

Embora a doença cardíaca não tenha distinção de gênero de quem atinge, é bastante comum associá-la com pacientes homens. Essa associação é feita inclusive por parte dos médicos, que não costumam ser tão rápidos para detectá-la em mulheres como são nos homens, como mostram numerosos estudos.

Sintomas de ataque cardíaco diferentes

Parte do problema é que os sintomas de ataque cardíaco em mulheres são mais propensos a serem diferentes e mais sutis. (Leia este post recente que fizemos sobre os sintomas do ataque cardíaco em mulheres).

Doença tem aumentando em mulheres mais jovens

Estudos populacionais mostram que um número maior de mulheres mais jovens está sofrendo ataques cardíacos hoje em dia em comparação com o que sofriam no passado. Embora a taxa de ataques cardíacos em homens jovens tenha se mantido estável ou diminuído, a taxa em mulheres jovens aumentou. Um estudo do National Institutes of Health (EUA) mostrou que, em 1999, 21% das pessoas com idade entre 35 e 54 anos hospitalizadas por ataque cardíaco eram mulheres. Em 2014, esse percentual aumentou para 31%.

Por que a doença cardíaca aumentou entre as mulheres?

Os pesquisadores acreditam que há várias razões pelas quais os ataques cardíacos estão aumentando em mulheres com menos de 54 anos. As taxas de obesidade são mais altas atualmente – inclusive há mais jovens mulheres obesas que homens jovens obesos. Taxas mais altas de obesidade significam mais pressão alta e diabetes, condições diretamente relacionadas à doença cardíaca.

O papel do estresse

Os pesquisadores do National Institutes of Health acreditam que, embora esses fatores de risco tradicionais sejam importantes, as mulheres podem estar mais suscetíveis que os homens a fatores de risco psicossociais. O principal fator aqui é o estresse. Homens e mulheres que estão estressados ​​mentalmente e de maneira crônica têm níveis mais altos de adrenalina e cortisol, que podem danificar lentamente o coração e outros órgãos.

O que mulheres mais jovens devem fazer para evitar doenças cardíacas?

Primeiro, é importante que fiquem atentas aos sinais de ataque cardíaco, que são diferentes da imagem que se costuma ter em mente, de um homem segurando o peito e caindo para a frente!

Em segundo lugar, converse com um médico de confiança sobre seus fatores de risco, como hipertensão, colesterol alto, diabetes, tabagismo e histórico familiar. Se você tiver pressão alta, mesmo que não tenha sintomas, não deixe de trata-la. Se o açúcar no sangue em jejum estiver subindo até o nível de pré-diabetes, trabalhe melhor em sua dieta e atividade física. Da mesma forma, se o seu peso estiver acima da faixa ideal.

E não tenha vergonha de discutir o estresse em sua vida com um médico de confiança. Se você está estressada ou deprimida, existem bons tratamentos disponíveis, que incluem aconselhamento, mediação de conflitos, melhor alimentação, atividade física, medicação ou alguma combinação desses itens. Finalmente, lembre-se que a doença cardíaca não é apenas um problema do homem!

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a ProcuraMed.com

Leia também na ProcuraMed:

Como o ataque cardíaco pode apresentar sintomas diferentes em mulheres

Diminuir consumo de álcool pode ajudar a controlar a TPM

Esta postagem também está disponível em: Inglês

Médicos recomendados

Este artigo é relacionado a especialidade Cardiologia. A lista abaixo são de médicos relacionados a esta especialidade.

VEJA MAIS MÉDICOS