Fazer muito exercício é ruim para a saúde?

Fazer muito exercício é ruim para a saúde?

Cardiologia, Fitness

Todos nós já ouvimos que tudo o que se faz exageradamente é ruim. Mas será que isso vale também para o exercício, especificamente o exercício aeróbico? Algumas evidências, que não são necessariamente provas, sugerem que muito exercício pode realmente aumentar o risco de alguns problemas cardíacos, como válvulas cardíacas espessas ou um ritmo anormal. Cardiologistas da Cleveland Clinic (Ohio, EUA) realizaram um estudo para encontrar a resposta.

Os pesquisadores, que apresentaram seus resultados no Journal of the American Medical Association, analisaram dados de sobrevivência de 122.007 homens e mulheres submetidos a testes em esteira (stress) entre 1991 e 2014. Eles compararam os resultados dos testes com a taxa de sobrevivência desses homens e mulheres durante o período do estudo.

O teste de coração de esteira

O teste de esteira é uma medida da aptidão cardiorrespiratória. É realizado com um médico presente, à medida que a pessoa caminha e corre mais e mais rápido na esteira. O tempo todo a pessoa é monitorada em um eletrocardiograma enquanto o corpo está estressado com a esteira cada vez mais rápida.

Com base nos resultados dos testes, os pesquisadores classificaram cada uma das 122.007 pessoas em cinco níveis de aptidão cardiorrespiratória: baixa, abaixo da média, acima da média, alta e elite. As pessoas que ficaram nos 2,3% do topo de aptidão foram consideradas como tendo um nível de “elite”.

Os resultados

Em seguida, os pesquisadores analisaram quantas dessas pessoas nas diversas categorias de condicionamento físico morreram durante o período do estudo. Eles descobriram que a sobrevivência aumentou drasticamente à medida que o nível de aptidão física aumentou. Cada nível superior de aptidão deu à pessoa uma chance maior de sobrevivência. As pessoas no nível de aptidão de elite tiveram uma chance 500% melhor de sobrevivência durante o estudo do que as pessoas que estavam no nível baixo de aptidão.

É importante ressaltar que a pesquisa mostrou que as pessoas no topo da aptidão não mostraram nenhum risco aumentado de “muito” exercício. As pessoas que tiveram o melhor desempenho tiveram a melhor chance de sobrevivência. Os resultados foram verdadeiros para ambos os sexos e todas as faixas etárias. Mesmo aqueles acima de 70 anos, ou pessoas com outros problemas, como pressão alta ou diabetes, mostraram melhor sobrevida quando tinham alta aptidão cardiorrespiratória.

Mais exercício = maior sobrevida

Os resultados mostram que não houve problema com o “excesso de exercício”. Isso significa que, se você for liberado pelo seu médico (provavelmente por um teste de esteira), você não deve ter medo de exercícios vigorosos. Este estudo mostrou que quanto mais exercício você puder fazer, melhor.

Falta de exercício ainda é pior que fumar

Os pesquisadores também concluíram que o exercício era um fator ainda mais importante para a sobrevivência do que o tabagismo, diabetes ou pressão alta. O principal autor do estudo disse: “Ser sedentario deve ser considerado como um forte fator de risco, assim como hipertensão, diabetes e tabagismo – se não for mais forte do que todos eles.”

Isso não significa que, se você é um praticante de elite, pode fumar! Isso significa que ser sedentário é pior para a sua saúde do que fumar, no que diz respeito à sua sobrevivência. Então, se você quer viver uma vida longa, saia e se exercite o quanto quiser (novamente, depois de ser liberado pelo seu médico). Quanto mais melhor!

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

Uma maneira simples de medir sua aptidão física

O que tem mais efeito sobre a pressão arterial: sal ou açúcar?

Esta postagem também está disponível em: Inglês

Médicos recomendados

Estes são alguns médicos recomendados na ProcuraMed.

VEJA MAIS MÉDICOS