diminuir a solidão durante o distanciamento social

Quatro maneiras de diminuir a solidão durante o distanciamento social

Comportamento, ,

O distanciamento social é importante para nos proteger da disseminação do COVID-19, mas ele também pode ser um ponto de atenção psicológica. Hoje, sugerimos quatro maneiras simples de ajudar a proteger contra os danos psicológicos do distanciamento. 

Quando não tratada, a solidão é um risco para a saúde, comparável ao uso de cigarro. Cruelmente, as pessoas que mais precisam de distanciamento social (idosos e quem sofre de doenças crônicas) são as mais propensas a ficar sozinhas. Quer estejamos ou não em um grupo de alto risco, aqui estão algumas sugestões que podem nos ajudar.

1) Fechamento social (sim, o termo existe)

Quando precisamos estar fisicamente distantes e não tocar os outros, podemos nos conectar de outra maneira – por telefone, por exemplo. Todo mundo está mandando mensagens de texto o tempo todo, por isso, um telefonema pode parecer antiquado. Mas obtemos muito mais feedback social se ouvirmos uma voz, em vez de apenas ler um texto. Uma chamada de vídeo pode ser ainda melhor.

Emojis são uma maneira de adicionar emoção e nuances às conversas em texto. Com as chamadas telefônicas, não precisamos de emojis. Você pode ligar para pelo menos uma ou duas pessoas por dia para ver como elas estão? Se você já precisou de uma desculpa para uma ligação, o COVID-19 oferece isso. 

Priorize amigos ou familiares com os quais você não conversa há um tempo. E tente ligar para alguém que mora sozinho ou que é mais velho, que provavelmente já se sente isolado e sozinho. Isso fará não apenas com que se sintam melhor, como também você se sentirá melhor.

2) Atenção plena, meditação ou oração

Pesquisas demonstraram que cada uma dessas três ações ajuda a fortalecer nosso sistema imunológico – até mais do que tomar um multivitamínico todos os dias.

Para começar a praticar a atenção plena (também conhecida como meditação mindfullness), é preciso orientação, foco e disciplina. Se você conhece alguém que já pratica, peça dicas de como fazer corretamente. Também há aplicativos que podem ajudar, ou consulte este artigo.

3) Faça algo por outra pessoa

O voluntariado, mesmo que pequeno, dá às pessoas um senso de propósito e reduz a ansiedade. Um exemplo: organize uma maneira de as pessoas idosas e de alto risco do seu bairro comprarem mantimentos. Há muitas pessoas com necessidades, sozinhas, mas orgulhosas demais para pedir ajuda. Você pode ser o herói delas.

4) Exercício

Não é possível ir à academia ou praticar de esportes coletivos agora, então, tente uma rotina de exercícios on-line postada por muitas academias. No mínimo, ande pela casa o máximo que puder. Se você tem escadas em casa, pode subir e descer para aumentar os benefícios. Seja como for, não se sente apenas em sua cadeira ou sofá assistindo TV ou computador. Para ajudar a manter uma boa circulação e evitar a obesidade, levante-se, estique-se e mova-se pelo menos alguns passos a cada 30 minutos.

Qualquer exercício físico aumenta seu sistema imunológico e reduz o estresse. Tente fazer pelo menos 30 a 60 minutos de atividade física por dia.

A situação é difícil, mas necessária – e, abordada de maneira positiva, uma crise pode trazer o melhor das pessoas. Essa pandemia nos dá a oportunidade de finalmente fazer algo de bom para nós e para os outros. A escolha é nossa.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a ProcuraMed.com

Leia também na ProcuraMed:

Como diferenciar sintomas de coronavírus, resfriado, gripe e alergias?

Como aumentar sua imunidade na era do coronavírus

Esta postagem também está disponível em: Inglês

Médicos recomendados

Este post é relacionado as especialidades Infectologia, Psiquiatria. A lista abaixo são de médicos relacionados a estas especialidades.

VEJA MAIS MÉDICOS