a medicação para pressão arterial é tão importante

Por que a medicação para pressão arterial é tão importante em períodos de COVID-19

Cardiologia, Medicação,

A hipertensão é a condição de saúde silenciosa crônica mais comum em adultos. Em países como o Brasil e os Estados Unidos, mais de 50% dos adultos de meia-idade e idosos têm pressão arterial elevada. Muitas dessas pessoas não são tratadas adequadamente porque não têm conhecimento de sua condição. Mas também é grande o número de pessoas que não apresenta sintomas no início, e acaba não tomando a medicação adequada ou na frequência com que deveria.

Se você leu sobre os problemas de infecção por COVID-19 em pessoas com “doenças pré-existentes”, deve saber que a hipertensão é uma dessas doenças. Os dados mostram que pessoas com hipertensão que desenvolvem COVID-19 apresentam maior risco de sofrer uma forma mais grave da infecção.

Até recentemente, havia incerteza na comunidade médica sobre o papel dos medicamentos para pressão arterial em relação à COVID-19. Houve a sugestão de que alguns desses medicamentos poderiam tornar algumas pessoas ainda mais suscetíveis à infecção grave com o novo coronavírus. Felizmente, recentemente, há um consenso entre os especialistas em doenças infecciosas que pessoas com pressão alta têm melhores resultados e taxas de sobrevivência melhor frente à COVID-19 se estiverem tomando medicamentos que controlem adequadamente sua pressão.

Controvérsia sobre certos medicamentos

No início da epidemia, foi descoberto que o vírus COVID-19 poderia entrar no corpo ligando-se a certos “receptores”, chamados receptores ACE2 (enzima conversora de angiotensina II). Esses receptores estão abundantemente presentes nos tecidos nasais, por onde o vírus normalmente entra no corpo. Curiosamente, esses mesmos receptores estão envolvidos com o “sistema renina-angiotensina aldosterona (RAAS)”, que ajuda a regular a pressão arterial. Muitas pessoas com pressão alta estão tomando medicamentos que atuam no sistema RAAS para controlar a pressão.

Especificamente, os medicamentos para pressão arterial chamados inibidores da ECA ou bloqueadores ARB também atuam nesse mesmo sistema RAAS. E como o novo coronavírus age no mesmo sistema, alguns especialistas temiam que as pessoas que tomavam esses medicamentos pudessem aumentar suas chances de complicações graves de COVID-19. Outras teorias iam para o lado oposto – que esses medicamentos poderiam ajudar a proteger as pessoas de infecções graves.

Muitas pesquisas foram realizadas nos últimos meses, em vários países, para tentar descobrir se esses medicamentos ajudam ou prejudicam as pessoas com COVID-19. Felizmente, os estudos concluíram consistentemente que as pessoas que tomam inibidores da ECA ou ARBs têm menos probabilidade de sofrer complicações graves de COVID-19 se estiverem tomando seus medicamentos e controlando sua pressão.

Outros tipos de medicamentos para pressão 

Outros tipos de medicamentos são usados ​​para controlar a pressão arterial, como diuréticos, bloqueadores dos canais de cálcio, bloqueadores alfa e bloqueadores beta. Muitas pessoas precisam de uma combinação de vários tipos de medicamentos para controlar a pressão. Mais uma vez, felizmente, a pesquisa sugere que nenhum desses medicamentos piora a COVID-19 e, muito provavelmente, diminui o risco de complicações graves da doença.

Ainda há muito a ser descoberto sobre esse novo coronavírus, mas uma coisa é certa: se você tem pressão alta, corre um risco significativamente maior de sobreviver à COVID-19 se sua pressão arterial estiver sob controle! Se você tiver dúvidas sobre sua situação particular, pergunte ao médico de sua confiança.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a ProcuraMed.com

Leia também na ProcuraMed:

Como auto monitorar sua pressão arterial em casa

Por que o Brasil lidera os testes de vacinas contra COVID-19

Esta postagem também está disponível em: Inglês

Médicos recomendados

Este artigo é relacionado a especialidade Infectologia. A lista abaixo são de médicos relacionados a esta especialidade.

VEJA MAIS MÉDICOS