O óleo de coco é mesmo “veneno puro”?

O óleo de coco é mesmo “veneno puro”?

Um vídeo no YouTube que se tornou viral nas últimas semanas, com quase 1,5 milhão de visualizações, fala sobre o óleo de coco. O médico no vídeo, professor da Universidade de Freiburg (Alemanha) e também da Escola de Saúde Pública de Harvard, diz que o óleo de coco é “veneno puro” e “um dos piores alimentos que você pode comer”. Mas será que é verdade?

Curiosamente, hoje na ProcuraMed recebemos um e-mail intitulado “10 Benefícios Científicos à Saúde do Óleo de Coco”. Com tantas notícias contrárias e tantas outras a favor, o assunto está causando muita tensão: como algo que muitas pessoas acreditam ser um superalimento agora é um veneno?

O óleo de coco é um veneno?

Não, não é um veneno, mas também não é um alimento saudável. Consumir um pouco, mesmo diariamente, provavelmente não causará muito dano, mas também não tornará você mais saudável. Ou seja, ele não irá lhe fazer tanto mal,mas também não irá diminuir a gordura abdominal, reduzir o apetite, impulsionar o sistema imunológico e ajudar a prevenir a demência e a doença de Alzheimer.

Por que ele ganhou a fama de saudável?

O óleo de coco é visto como uma fonte natural de gorduras saudáveis à base de plantas. Sua principal reivindicação é que ele tem mais ácidos graxos de cadeia média do que outros óleos. Isso é verdade, mas a porcentagem desses ácidos graxos ainda é pequena no óleo de coco que você compra em lojas. Alguns óleos especialmente formulados têm até 100% de ácidos graxos de cadeia média, mas é improvável que você encontre esse tipo de óleo em qualquer lugar.

E os problemas de saúde?

100% das calorias do óleo de coco vêm da gordura. Nenhuma proteína, nenhum carboidrato. O grande problema, entretanto, não é o teor de gordura em si, mas o percentual muito alto de gordura saturada – o máximo de qualquer óleo, de 82% a 90%. Para ter como comparação, a manteiga tem um teor de gordura saturada de 63%, a gordura de carne tem cerca de 50%, a banha de porco, cerca de 39%, e azeite de oliva (um óleo saudável), apenas 14%.

O óleo de coco é carregado com gordura saturada e em uma forma menos saudável do que a encontrada, por exemplo, em laticínios. Os ácidos graxos do óleo de coco são diferentes e não tão amigáveis. De acordo com a publicação de Harvard “Coconut Oil”, as evidências mostram que esses ácidos graxos aumentam o nível do nosso colesterol ruim (LDL).

Benefícios nutricionais?

As pessoas que vendem o óleo de coco dizem que ele é cheio de antioxidantes e benefícios nutricionais, mas isso não é verdade. Ele não tem fibra e apresenta poucas vitaminas e minerais. Você teria que comer muito (o que também significa muita gordura e calorias) para obter uma dose razoável de antioxidantes. É mais fácil obter antioxidantes de frutas e vegetais, e até mesmo de café ou manteiga.

O que devo fazer?

Se você gosta de óleo de coco, tente consumir menos de 1 colher de sopa por dia, de preferência menos. É bom adicionar um pouquinho a molhos ou uma colher pequena para refogar legumes. Compre o tipo virgem ou extra-virgem, e evite quaisquer óleos que tenham sido “parcialmente hidrogenados” (isso adiciona gorduras trans ao alimento e o torna ainda pior).

A menos que você seja um grande fã do sabor do óleo de coco, recomendamos que você se atenha a óleos como oliva, girassol, cártamo ou até mesmo soja ou abacate. Nosso favorito é o esteio da Dieta Mediterrânea, o azeite extra-virgem. Tem gosto bom, é menos caro, é natural, à base de plantas e é muito mais saudável que o óleo de coco.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

O exercício HIIT pode manter suas células mais jovens?

Uma maneira simples de medir sua aptidão física

Óleo de coco: sete perguntas e respostas

Esta postagem também está disponível em: Inglês