HIV AIDS

Telaprevir dimininui metade do tempo de tratamento da Hepatite C

O estudo multinacional, publicado dia 15 no New England Journal of Medicine, mostrou que um regime combinando peginterferon e ribavirina, duas drogas que têm sido o padrão de tratamento para hepatite C (por mais de uma década), com o medicamento telaprevir, um inibidor de protease, aprovado em maio pelo FDA, dos EUA, diminui na metade o tempo normal para o tratamento dos pacientes infectados com o vírus da hepatite C.

Novo Medicamento dimininui tempo de terapia da Hepatite CA hepatite C é uma doença, sem vacina, que acomete 200 milhões de pessoas mundialmente. No Brasil há entre 1,5-2 milhões portadores de hepatite C, no entando, esta é uma epidemia silenciosa, pois somente 20 mil pessoas estão cientes do seu diagnóstico e recebem tratamento. O vírus pode permanecer no corpo por muitos anos, antes que os pacientes comecem a sentir os sintomas, e de modo crônico pode levar ao câncer de fígado, necessitando assim de um de transplante de fígado.

O estudo foi realizado com 540 homens e mulheres com hepatite C que não tinham sido previamente tratados para a doença. Todos os pacientes começaram o tratamento, recebendo o regime das três drogas por 12 semanas, seguido por apenas uma combinação peginterferon-ribavirina. Após 20 semanas, 322 pacientes tiveram uma resposta virológica rápida estendida (o que significa que tinham níveis indetectáveis do vírus por quatro semanas e mantendo-se livre do vírus após 12 semanas), sendo então estes  randomizados para receber peginterferon-ribavirina por mais quatro semanas ou 28 semanas.

No final do período de tratamento, 92% dos pacientes do grupo de 24 semanas tiveram uma resposta virológica sustentada, o que significa que o vírus permaneceu apagado dos seus sistemas, em comparação com 88 % dos pacientes no grupo de 48 semanas.

Para o Dr. Kenneth E. Sherman, principal autor do estudo e professor de medicina e diretor da divisão de doenças digestivas da University of Cincinnati em Ohio, os pacientes que receberam um tratamento mais curto, tiveram menores taxas de efeitos colaterais e foram menos propensos a parar o tratamento do que aqueles tratados por 48 semanas. “Na prática, isso estaria associado a menores custos de tratamento e melhor tolerabilidade em relação ao uso de esquemas de 48 semanas de tratamento. Alguns pacientes responderam tão rapidamente para o regime que eles podem ter sido capaz de encurtar o tempo de tratamento para menos de 24 semanas. No entanto, isto não foi investigado neste estudo, e exigiria outros estudos igualmente desenhado para determinar se isso é verdade”, disse ele.

A forma de contagio do virús se da através do contato com o sangue de outras pessoas. Isto pode ocorrer através de uma simples ida à manicure (quando não há esterilização do material), ou através do compartilhamento de partilha de agulhas ou outro equipamento para injetar drogas. O sexo com uma pessoa infectada também pode transmitir hepatite C, assim como a trasmissão vertical (mãe-filho) na hora do parto. Alguns pacientes contraíram o vírus, através de transfusões de sangue décadas atrás, antes da triagem de doadores que começou no início da década de 90. Tanto o exame Anti HCV (que detecta o vírus da hepatite C), como os medicamentos peginterferon e a ribavirina, são oferecidos gratuitamente pelo SUS.

O estudo do telaprevir foi financiado por duas empresas: a Vertex Pharmaceuticals Inc., que comercializa telaprevir na América do Norte sob o nome de marca Incivek, e a Tibotec, que comercializa na Europa, América Latina e outras partes do mundo sob o nome de Incivo. A expectativa é de que o telaprevir chegue cheguem ao Brasil no final desse ano ou início 2012. Em julho a Anvisa aprovou outro inibidor de protease o boceprevir.

Saiba mais sobre a epidemia da hepatite C na reportagem do Fantástico feita pelo Doutor Drauzio Varella.