sexual frequency and happiness

Pesquisa relaciona quantidade de sexo à felicidade

Pesquisas acadêmicas realizadas nos Estados Unidos mostram que, em geral, casais heterossexuais adultos costumam ser mais felizes quando fazem sexo com mais frequência. Também mostram que os mais felizes são os que vivem com apenas um parceiro sexual. Mas o que aconteceria se a frequência do sexo fosse aumentada? A felicidade também aumentaria? Estudo da universidade americana de Carnegie Mellon buscou a resposta para esta pergunta.

Participaram do estudo 64 casais heterossexuais adultos, divididos aleatoriamente em dois grupos. Ao primeiro grupo, foi pedido para que mantivessem a frequência das relações ao longo dos três meses de estudo. Ao segundo, foi solicitado que dobrassem o número de relações que costumavam ter.

Os resultados, que acabaram de ser publicados no The Journal of Economic Behavior & Organization, surpreenderam os pesquisadores: mostraram que os casais que aumentaram o número de relações sexuais não relataram maior felicidade.Também revelaram que, embora tenha sido solicitado aos casais do segundo grupo que aumentassem o número de relações em 100%, o aumento foi, em média, de apenas 40%.

Pressão e desestímulo

Antes e depois do experimento, todos os participantes responderam a questionamentos sobre seus níveis de felicidade, sobre a satisfação com as relações sexuais, além de perguntas gerais sobre estado de espírito, energia e entusiasmo percebidos a cada dia.

Tanto para homens quanto para mulheres, os níveis de felicidade geral tiveram uma pequena queda no grupo dos que foram pedidos para aumentar o número de relações sexuais. Essa redução esteve relacionada principalmente aos níveis de energia e de entusiasmo, além de uma ligeira queda relatada na qualidade dos encontros sexuais.

Os pesquisadores relataram que um dos possíveis motivos dessa queda foi o fato de os participantes do segundo grupo se sentirem obrigados a ter mais relações. Isso teria levado à diminuição do desejo bem como o prazer com o sexo.

Para o pesquisador-chefe do estudo, George Lowenstein, os resultados mostram que há uma redução na qualidade do sexo e no estado de espírito, de forma geral, quando “você está fazendo sexo por uma razão que não a de que você gosta e quer ter relação sexual”.

“Em vez de se concentrar no aumento da frequência sexual parecida com os níveis que eles experimentaram no início de um relacionamento, os casais podem querer trabalhar na criação de um ambiente que desperta seu desejo e torna o sexo que eles têm ainda mais divertido”, completou outro dos pesquisadores envolvidos, Tamar Krishnamurti.

Depois de todos os resultados, a sugestão dos especialistas é uma só: invista mais na qualidade e menos na quantidade.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Os Benefícios do Sexo

Sexo frequente rejuvenesce

5 curiosidades sobre sexo na meia-idade

Esta postagem também está disponível em: Inglês