HIV AIDS

Brasil tem recursos gratuitos no para prevenção e tratamento da Aids, saiba quais

Há 26 anos, o Dia Mundial de Luta contra a Aids é celebrado no dia 1° de dezembro. No Brasil, a data é motivo para comemorar e para refletir. Na última década, as mortes relacionadas à doença caíram em um terço no País. Entretanto, no mesmo período, o contágio entre jovens e adolescentes aumentou de forma preocupante.

HIV AIDS

No Brasil, muitos avanços são percebidos, em especial a partir da década de 1990, quando o País assumiu papel de liderança na luta contra essa epidemia. Aqui, o tratamento gratuito é garantido a todos os cidadãos, assim como métodos preventivos – recurso que não existe em muitos países desenvolvidos.

O avanço no tratamento tem melhorado a expectativa de vida dos pacientes e diminuído as taxas de mortalidade. Segundo o último relatório da Unaids, órgão da ONU pela prevenção e combate à doença, 1,5 milhão de pessoas morreram em decorrência da Aids em todo o mundo em 2013. O número representa uma queda de 11,8% em comparação a 2012.

A América Latina é a região com maior assistência aos infectados. Na região, aproximadamente 45% dos 1,6 milhão de doentes têm acesso a tratamento. No Brasil, porém, o número de novos infectados pelo HIV aumentou em 11% entre 2005 e 2013. Só no ano passado, os brasileiros representavam 47% de todos os novos casos registrados na América Latina. E os jovens e adolescentes, com idade entre 12 e 24 anos, somam 1/3 de todos os novos contágios – cerca de 3.500 novos casos a cada ano.

Uma das possibilidades desse aumento é que os jovens de hoje não viveram a preocupação com a doença que existiu nos anos 1980 e 1990, e que foi responsável pela morte de muitos jovens, inclusive ídolos daquela geração. Eles cresceram em um ambiente onde a ciência tem investido pesado em pesquisas que tentam a cura da Aids, o que pode levar à uma falsa ideia de cura.

Nos últimos anos, diferentes coquetéis de drogas foram usados em pesquisas e no tratamento da doença na fase inicial. O anúncio da possível cura, celebrada há alguns meses no meio científico, foi derrubado em 2014, quando as crianças que estavam em tratamento apresentaram recaída quando interromperam o uso dos coquetéis. O vírus, que acreditava-se estar morto, estava escondido em células e órgãos e voltou a se manifestar na ausência do medicamento.

Embora os avanços na medicina tragam mais qualidade de vida aos infectados, é fundamental mantermos em mente que a Aids é uma doença ainda sem cura. O vírus é transmitido via sangue, amamentação ou sêmen durante o ato sexual.

Veja a seguir alguns dos principais fatos sobre a doença e as ferramentas disponíveis gratuitamente no sistema de saúde brasileiro:

Qual a melhor prevenção?

A melhor prevenção contra a Aids é o uso de preservativo, masculino ou feminino. Muitas pessoas contaminadas não sabem que têm o vírus, por isso, o uso de preservativo é fundamental quando não se tem certeza sobre seu parceiro e até sobre si mesmo. Você pode obter preservativos gratuitamente em toda a rede pública de saúde.

Você está infectado com o vírus?

A única maneira de se ter certeza sobre o contágio é com teste. No Brasil, ele pode ser feito gratuitamente em qualquer unidade de saúde pública, como posto ou hospital, sem a necessidade de agendamento ou pedido médico. Há testes seguros que oferecem o resultado em 20 minutos. Se você está em dúvida, procure a rede pública de saúde.

E se você tem o vírus HIV?

No Brasil, toda pessoa portadora do HIV tem direito a tratamento gratuito – diferente de países como os EUA, por exemplo, onde o alto preço dos remédios priva muitas pessoas do tratamento. Aqui, o coquetel de medicamentos é fornecido pelo SUS e precisa ser tomado diariamente, sem interrupção. Com o tratamento adequado, é possível reduzir em até 96% a chance de transmitir o vírus para outra pessoa.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Sexo e exercício: duas grandes conclusões

Como a derrota de um time pode afetar o desejo sexual

Sexo frequente rejuvenesce

Esta postagem também está disponível em: Inglês