beijo para saúde

6 benefícios do beijo para a saúde

Há quem se preocupe com a troca de bactérias e os riscos de infecções quando o assunto é beijo, em especial no Carnaval. Mas, na verdade, se você tomar um pouco de cuidado, o beijo oferece muitos mais benefícios à saúde que riscos.

Algumas dicas básicas: evite beijar quem você não conhece, não beije alguém que está doente ou que tenha ferida, verruga, ou qualquer lesão nos lábios ou boca, e não beije ninguém com alguma doença dental.

 O beijo e a ciência

A maioria dos antropólogos acredita que o beijo evoluiu nos seres humanos como uma extensão de mães pré-históricas. Supostamente, o beijo surgiu quando elas começaram a alimentar seus bebês com alimentos sólidos, que primeiro eram mastigados e depois eram passados para a boca das crianças.

Apesar de uma atividade comum, o beijo ainda é pouco estudado cientificamente – e por uma ciência que possui até nome, a flematologia. Mas há pesquisas científicas que permitem listar benefícios. Alguns da lista abaixo são compilados a partir do trabalho do Dr. Kory Floyd da Universidade Estadual do Arizona (EUA), e vários pesquisadores da Universidade de Oxford (UK). E caso você esteja interessado, no final do post temos um link para o livro A Ciência do Beijo.

Benefícios potenciais do beijo para a saúde

1) Ajuda a manter os dentes e a boca saudáveis

Beijar estimula a produção de saliva, que é ótimo para os dentes. A saliva é a primeira linha de defesa para lavar a placa que se forma em torno dos dentes.

 2) Melhora o seu “microbioma” oral

O microbioma é basicamente o grupo de bactérias saudáveis ​​que normalmente habita várias partes do nosso corpo. Sem essas bactérias em nossa pele, intestino e boca, nosso metabolismo estaria desequilibrado – e provavelmente ficaríamos doentes. Pesquisas mostram que quanto mais diverso um mocrobioma, melhor para a saúde. E o beijo é um grande aliado na diversificação do microbioma oral.

3) Beijar libera hormônio do bem-estar

Quando você beija, seu cérebro libera grandes quantidades de oxitocina. Este hormônio ajuda a ligar dois amantes, bem como uma mãe com seu bebê, e faz com que nos sintamos mais calmos. O beijo também libera outros hormônios, dopamina e norepinefrina, que nos deixam mais excitados. Talvez essa mistura louca de hormônios explique por que alguns beijos são tão emocionalmente complexos.

4) Beijar ajuda a pressão arterial e colesterol

Os vários hormônios liberados quando beijamos ajudam a dilatar nossos vasos sanguíneos, baixam a pressão arterial e diminuem a quantidade de colesterol LDL (o tipo ruim) em nosso sangue.

5) Beijar melhora a autoestima

Todos nós sabemos disso, mas agora a autoestima elevada pelo beijo também está sob os olhares da ciência. Um estudo alemão mostrou que os homens que partem para o trabalho depois de serem beijados por suas esposas ganham mais dinheiro. A explicação é que o beijo nos faz sentir amados e conectados. A autoestima elevada nos ajuda a ter um desempenho melhor dentro e fora do trabalho.

6) Beijar ajuda a encontrar (e a manter) um bom parceiro

Pesquisadores, entre eles alguns de Oxford, mostraram que o beijo é uma forma que temos de avaliar a pessoa como um potencial parceiro. Com casais heterossexuais, o beijo ajuda à mulher a encontrar um homem com genes complementares e bons para gerar um bebê saudável. Pesquisas também apontam que casais que continuam se beijando ao longo dos anos são mais propensos a ficar juntos.

O beijo certamente merece análises mais profundas, mas, neste post, quisemos dar a você apenas uma ideia do quanto beijar é bom para a saúde física e emocional. Se quiser saber mais, consulte os links neste artigo, bem como o livro abaixo. E o nosso principal conselho para este Carnaval: que você possa beijar muito – com paixão e saúde.

A Ciência do Beijo (Livro, Português, Amazon)

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Pesquisa relaciona quantidade de sexo à felicidade

O gel de testosterona ajuda homens de meia-idade?

Esta postagem também está disponível em: Inglês