redes socias depressão

Quais os efeitos das redes sociais sobre a depressão

Hoje em dia, temos inúmeras maneiras de nos conectarmos a outras pessoas, inclusive usando aplicativos e redes sociais. Com essas facilidades, poderíamos pensar que menos pessoas se sentem sozinhas ou isoladas. Mas isso é verdade?

Muitos estudos sobre esta questão chegam a conclusões contraditórias. Algumas pesquisas concluem que mais tempo no Facebook e em outras redes sociais pode aumentar a depressão e diminuir a autoestima, particularmente em crianças e adolescentes. Outros apontam para o contrário.

Aspectos conflitantes

Uma questão interessante é que, se uso exagerado da rede social está associado à depressão ou problemas com autoestima, qual dos problemas veio primeiro? Usar as redes sociais deixa alguém deprimido ou pessoas que naturalmente estão mais deprimidas ou solitárias também são as mais atraídas pelas redes sociais? A resposta pode até ser uma combinação de ambos os fatores.

Normalmente, quando vários estudos chegam a conclusões conflitantes, estudos melhores são feitos ao longo do tempo, até que finalmente a maioria dos especialistas concorda sobre o que é a “verdade”. Vejamos dois estudos universitários publicados recentemente que concluem que sim, o uso pesado de redes sociais está associado a problemas de saúde mental.

Uso das redes sociais e depressão

O primeiro estudo, publicado na revista American Journal of Preventive Medicine, estudou 1.787 adultos com idades entre 19 e 32 anos – 50% homens e 50% mulheres. Os pesquisadores entrevistaram cada participante quanto ao tempo gasto diariamente em mídias sociais, e quantas vezes por dia visitavam sites de mídia social. Cada voluntário também completou uma pesquisa com uma série de perguntas que mediram sentimentos de isolamento social.

Os resultados mostraram que as pessoas que usaram as mídias sociais por mais de 2 horas por dia tinham duas vezes mais probabilidade de se sentirem isoladas do que pessoas da mesma idade que estavam em redes sociais por menos de 30 minutos por dia. E as pessoas que visitaram as redes sociais 58 vezes ou mais por semana eram 3 vezes mais propensas a se sentirem isoladas do que as pessoas que visitaram esses sites menos de 9 vezes por semana.

No ano passado, um grande estudo foi publicado no jornal Depressão e Ansiedade. Nele, em vez de medir o isolamento social, foi medida a depressão. As conclusões foram essencialmente idênticas: pessoas que passaram muito tempo em redes sociais tinham escores de depressão significativamente maiores.

Por que as redes sociais levam à depressão e ao isolamento

A primeira explicação é que, se uma pessoa passa muito tempo na mídia social, ela gasta menos tempo em interações humanas reais, ou seja, em conexões face a face.

A segunda razão é que o uso de mídias sociais pode fazer algumas pessoas se sentirem inadequadas. Eles veem que todo mundo parece estar vivendo uma vida mais excitante e mais feliz do que as delas (o que, claro, pode não ser verdade).

O que fazer

Estes dois estudos sugerem riscos de saúde mental ao usar redes sociais demais. Mas como saber se você está usando em excesso?

Se você se sente mais socialmente isolado agora do que alguns anos atrás (quando você provavelmente não estava tão presente em redes sociais), considere a ideia de limitar o uso. Gaste parte do tempo que você economiza em redes sociais para se conectar com pessoas cara a cara.

Outra opção é ter um animal de estimação, que lhe dê amor e carinho. Para algumas pessoas, isso é tão benéfico quanto mais visitas sociais de outros seres humanos. Mas antes de optar por ter um animal, lembre-se da responsabilidade que isso exigirá de você. E esteja ciente de que, assim como o animal estará pronto para lhe dar todo o amor e carinho que puder, ele também demandará cuidados e atenção.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Como fazer meditação em 3 minutos

Pesquisa aponta que se movimentar aumenta a felicidade

Esta postagem também está disponível em: Inglês