óleo de peixe como antidepressivo

Óleo de peixe pode ser usado como um antidepressivo?

Os antidepressivos estão entre os medicamentos mais prescritos atualmente, mas, para algumas pessoas, eles não são eficazes. Estudo recente sugere que tomar suplementos de óleo de peixe (ômega-3) junto com antidepressivos pode levar a melhores resultados.

O estudo foi conduzido por pesquisadores da Universidade de Melbourne e da Harvard Medical School. Os resultados foram publicados em 26 de abril na The American Journal of Psychiatry. Eles analisaram 40 pesquisas anteriores que estudaram o consumo de vários suplementos junto com pílulas antidepressivas. Além de ácidos graxos ômega-3, os pesquisadores analisaram suplementos como vitaminas C e D, ácido fólico e zinco.

Foram percebidas melhorias discretas no consumo de antidepressivos associados a vitamina D, metilfolato, e S-adenosina metionina (SAMe). Os melhores resultados foram registrados com o uso de ácidos graxos ômega-3, encontrados em suplementos de óleo de peixe. A explicação estaria no estímulo do óleo de peixe no funcionamento do cérebro.

Segundo os pesquisadores, o ômega-3 melhora o funcionamento dos neurotransmissores e ajuda a regular os níveis de serotonina, que influenciam diretamente no humor. Eles também acreditam que o ômega-3 pode diminuir o nível de inflamação no cérebro (que pode ser uma das causas da depressão).

Este estudo pode explicar por que países com alto consumo de peixes têm menor incidência de depressão. Alguns especialistas defendem que, com a tendência de redução no consumo de gordura, as pessoas acabam deixando de lado a ingestão de ômega-3. Muitos cortam do cardápio a carne vermelha e os ovos (ambos com boa concentração de ômega-3), mas não se preocupam em aumentar o consumo de peixes, por exemplo, para manter a dieta equilibrada.

Já vimos em posts anteriores que os suplementos de óleo de peixe estão entre os melhores para consumo. Eles são indicados inclusive quando há a preocupação quanto à origem do pescado, em especial em áreas onde há o risco de contaminação das águas com mercúrio e pesticidas. Há ainda uma preocupação quando os peixes são importados da Ásia: a origem acaba sendo quase imperceptível na embalagem, e o consumidor fica sem saber se o peixe pode ter sido pescado em águas insalubres.

Óleo de peixe dosagem

Quando a origem do peixe é confiável, é possível aumentar a ingestão de ômega-3 com o consumo de mais pescados gordos, como salmão, sardinha ou atum (inclusive enlatados), para duas ou três vezes na semana. Mas se a opção for o suplemento, é importante saber que uma dose de 1 a 2 gramas por dia é suficiente (as cápsulas mais comuns são de 1000 mg, correspondentes a 1 grama). Os efeitos colaterais com esta dosagem são raros.

Se você estiver tomando antidepressivos, pergunte ao seu médico sobre também tomar óleo de peixe. Mas não espere resultados imediatos, já que os primeiros efeitos podem vir apenas depois de vários meses de consumo.

E mesmo se você não estiver tomando antidepressivos, considere suplementos de óleo de peixe como uma forma de melhorar o funcionamento do cérebro e do seu humor.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Botox pode ajudar no tratamento da depressão? O dermatologista responde 

Mulheres grávidas que tomam ômega-3 têm bebês mais saudáveis

Esta postagem também está disponível em: Inglês