Caminhada mindful: uma alternativa à meditação

Caminhada mindful: uma alternativa mais fácil à meditação

Todos nós que lemos notícias médicas vemos mais e mais artigos sobre “mindfulness” e meditação. Mas poucos de nós realmente tentam essa técnica, e muitos que tentam não continuam. Muitas pessoas têm dificuldade em sentar mais do que alguns minutos com uma mente concentrada, e em uma posição que pode ser desconfortável.

Pesquisadores da Pennsylvania State University descreveram uma alternativa que pode ser mais fácil e mais eficaz para muitas pessoas. Seu método combina andar com mindfulness e foi publicado em 9 de maio em Psicologia do Esporte e Exercício. Os pesquisadores trabalharam primeiro com estudantes universitários e depois estudaram adultos mais velhos, com uma idade média de 73 anos.

O que é mindfulness?

Muitos de nós carregamos nossas preocupações quando estamos envolvidos com atividades. Dessa forma, pensamos no passado ou no futuro quando não deveríamos nos preocupar com essas coisas.

Talvez você tenha tido um dia estressante no trabalho, e quando você vai para casa, você quer passar um tempo relaxando com seu parceiro ou filhos. Mas com a sua mente presa aos seus problemas no trabalho, você não consegue realmente gostar do que está fazendo agora, no presente. Mindfulness é uma técnica que ajuda você a aproveitar o presente, com menos preocupação com o passado ou o futuro.

Como a atenção acalma seu corpo

Mindfulness basicamente consiste em dedicar tempo para se concentrar no que corpo está fazendo no presente. Durante a meditação, você normalmente se concentra na respiração, mas muitas pessoas acham isso difícil. Como uma alternativa consciente, você pode se concentrar em como o vento está batendo em sua pele ou como o seu pé se sente quando atinge o chão quando caminha.

Sempre que podemos nos concentrar nas sensações físicas que estamos experimentando agora, ativamos uma parte do sistema nervoso que neutraliza a resposta de “luta ou fuga”. Dessa forma, a parte excitável do nosso sistema nervoso se acalma – o sistema nervoso “simpático”.

Andar a pé é bom, “caminhada mindful” é melhor

A maioria das atividades ou movimentos físicos não competitivos, como caminhar, ajudará a aliviar parte do nosso estresse, baixando os níveis de cortisona e adrenalina. Os pesquisadores da Pennsylvania State University descobriram que quando uma pessoa combina andar com atenção plena, nosso corpo recebe ainda mais desse “intervalo”.

Como fazer isso

A psicóloga clínica Dra. Cinzia Pezzolesi, diretora do The Mindfulness Project (Londres), descreve o processo maravilhosamente:

“Às vezes, as pessoas naturalmente saem para passear quando estão estressadas, mas o que acontece é que elas levam seus pensamentos para passear junto. O que queremos fazer quando fazemos um passeio consciente é nos concentrarmos na caminhada, nas sensações físicas que você sente quando coloca os pés no chão. Então você ancora sua atenção na parte inferior de seu corpo e a primeira coisa que você nota é sua postura e sua mudança de equilíbrio. Então você coloca o pé no chão e sente a sensação da sola do pé no chão. A mente vagará porque isso acontece naturalmente a cada 14-16 segundos, mas você percebe aonde vai e traz de volta a seus pés. E você se desconecta do que não precisa – quais poderiam ser seus pensamentos. Sempre que nos concentramos em uma coisa só, damos um pouco de folga às nossas mentes.”

Embora seja ideal para fazer caminhadas conscientes em um ambiente calmo e tranquilo, muitos não têm esse luxo disponível todos os dias. Mas, ainda assim, você pode fazer a caminhada mindful em qualquer lugar e misturá-la em sua vida de pequenas maneiras ao longo do dia, mesmo quando não puder dar um passeio. O importante é estar ciente do que está acontecendo com o seu corpo no momento presente, e deixar os outros pensamentos irem embora.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

A meditação pode ajudar você a executar melhor as tarefas do seu dia

Meditação reduz risco cardiovascular em jovens

Esta postagem também está disponível em: Inglês