fim das gorduras trans

Organização Mundial de Saúde pede fim das gorduras trans

A Organização Mundial da Saúde (OMS), que nunca antes pediu a proibição mundial de um produto alimentício, acabou de declarar guerra à gordura trans. Normalmente, a OMS dirige campanhas globais contra doenças infecciosas, mas neste caso especial, concluiu que se essas gorduras forem banidas globalmente até 2023, mais de 10 milhões de vidas podem ser salvas.

O que é uma gordura trans?

As gorduras trans ocorrem naturalmente e em pequenas quantidades em algumas carnes e produtos lácteos. A gordura que preocupa a OMS e especialistas em saúde é do tipo artificialmente fabricada pela indústria alimentícia. Elas são produzidas por um processo chamado “hidrogenação”, no qual os átomos de hidrogênio são adicionados a um óleo vegetal líquido. Este processo torna o óleo sólido e aumenta significativamente a vida útil. É barato para fazer e, infelizmente, tem gosto agradável ao paladar.

História de gordura trans

As gorduras trans foram popularizados na década de 1950. Na década de 1970, quando as taxas de doenças cardíacas dispararam, muitos cientistas suspeitaram dessas gorduras como uma explicação. Em 1990, a questão foi resolvida, uma vez que evidências esmagadoras mostraram que essas gorduras estavam de fato se acumulando nos vasos sanguíneos e levando a ataques cardíacos precoces.

Naquela época, porém, elas já estavam estabelecidas em muitos alimentos e a indústria alimentícia resistia a mudar o que estava funcionando. Em 2006, a cidade de Nova Iorque foi a primeira a proibir seu uso em restaurantes, e muitos países escandinavos o seguiram. O Brasil tem trabalhado para diminuí-las, mas ainda não proibiu seu uso. Os EUA proibiram a partir de 2018.

Em lugares onde essas gorduras não eram mais permitidas, as taxas de ataque cardíaco logo diminuíram. Por exemplo, em Nova Iorque, as taxas de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral diminuíram em 6% nos anos seguintes à proibição.

Problemas de saúde causados por gorduras trans

As gorduras trans têm sido chamadas de “o pior tipo possível de gordura”, pior até que as gorduras saturadas. As gorduras trans fazem com que o colesterol LDL (o tipo que fica nas artérias) aumente, diminuindo os níveis de HDL. O HDL é o colesterol “bom”, que absorve as moléculas de LDL. Mesmo uma pequena quantidade de gorduras trans é perigosa. Estima-se que um aumento de 2% no consumo de gordura trans aumente o risco de ataque cardíaco em 23%. Além de problemas cardíacos, elas também contribuem para derrames e diabetes.

Onde elas são encontradas

A indústria alimentícia vem substituindo lentamente essas gorduras por outros tipos de gordura mais seguras. Mas, ainda assim, no Brasil e em muitos países, essas gorduras podem ser encontradas em alguns desses produtos. Note que muitos deles podem não conter mais gorduras trans, mas é preciso verificar o rótulo para saber com certeza.

– Alimentos fritos (especialmente batatas fritas)

– Fast foods

– Margarina

– Sorvete

– Massas de torta

– Cremes para café

– Bolos e biscoitos

– Pipoca de Microondas

– Biscoitos e salgadinhos

Como evitar

A única forma de evitar os males da gordura trans é eliminando-a de sua dieta. Olhe para o rótulo nutricional e veja se o teor de gordura trans é zero. Veja também se há algum ingrediente listado como “parcialmente hidrogenado”. Se a gordura trans não for zero, ou se houver algum ingrediente “parcialmente hidrogenado”, busque uma marca alternativa. E seria inteligente perguntar à sua padaria se eles usam alguma dessas gorduras.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

Então o suco de fruta não é realmente saudável… quais são as alternativas?

Cinco razões para comer mais salsa

Esta postagem também está disponível em: Inglês