Novos estudos sobre o café

Novos estudos sobre o café e a saúde

Novas pesquisas destacam alguns benefícios extras do café – além do estímulo para se levantar todas as manhãs. Dois novos e grandes estudos apontam que o consumo de café pode aumentar a longevidade. Isso acontece porque a bebida diminui os riscos de doença cardíaca, acidente vascular cerebral, diabetes e certos tipos de câncer.

Os dois estudos foram divulgados na edição de 11 de julho de 2017 dos Annals of Internal Medicine. Um dos estudos envolveu 521.330 pessoas de 10 países europeus por um período de 16,4 anos (começando em meados da década de 1990). A pesquisa foi simples: estudou as pessoas que sobreviveram e as que morreram durante este período e comparou nelas a quantidade de café que bebiam.

Os resultados mostraram que os homens que bebiam café tinham um risco 12% menor de morrer durante o estudo do que os homens que não bebiam. O risco de morte para as mulheres era 7% menor entre as consumidoras. Em geral, quanto mais o homem ou a mulher bebiam por dia, menor o risco de morrer.

O outro estudo acompanhou a mesma situação em um período de tempo semelhante, e envolveu 185.855 pessoas nos EUA. Os resultados foram parecidos com os do estudo europeu, mas ainda mais impressionantes. Nesta pesquisa, o risco global foi 18% menor de morrer durante o estudo se uma pessoa tomasse duas ou mais xícaras por dia.

Esse menor risco de morte em bebedores de café foi devido a um risco diminuído de doenças cardíacas, câncer, doenças respiratórias crônicas, AVC, diabetes e doença renal.

Cafeinado ou descafeinado?

Os estudos mostraram que não importava se essa bebida fosse cafeinado ou descafeinado. Ambos os tipos são benéficos, o que indica que a cafeína não era o componente protetor. Os pesquisadores acreditam que os benefícios para a saúde são provavelmente devidos à grande quantidade de antioxidantes no café, incluindo polifenóis, diterpenos e melanoidinas.

Por que o café protege?

Surpreendentemente, o café é, para muitas pessoas, a maior fonte de antioxidantes em sua dieta diária. Esses antioxidantes ajudam a neutralizar os radicais livres que são constantemente formados em nosso corpo à medida que as células reagem com o oxigênio. Os radicais livres promovem tudo de ruim, desde câncer até doença cardíaca e envelhecimento. Essa bebida também diminui o estado geral de inflamação no organismo, reduzindo o risco de doença cardíaca e câncer. Além disso, a bebida leva ao melhor funcionamento hepático e metabolismo da glicose

Qual a quantidade ideal?

Algumas pessoas não podem tolerar o café porque lhes dá refluxo ácido ou os deixa nervosos. Os estudos sugerem que o descafeinado pode ser uma opção nesses casos. Mas os autores afirmam que, para a maioria das pessoas, a quantidade ideal é de até quatro xícaras por dia. É claro que, se você tem condições médicas que lhe impeçam o consumo, verifique com seu médico.

É importante apontar que este estudo não diz que, se você não beber café, você vai morrer mais jovem. Também é possível que os bebedores de café simplesmente se cuidem de outras maneiras, e esse é o motivo da menor taxa de mortalidade, e não o próprio café. Isso parece improvável, mas é possível.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Seria o café um antidepressivo?

Café pode reduzir riscos de câncer do cólon

Esta postagem também está disponível em: Inglês