sem glúten menos saudável ?

Cortar o glúten pode fazer mais mal do que bem?

Muitas pessoas têm evitado alimentos com glúten nos últimos anos pensando ser um hábito saudável. Mas essa mudança não poderia estar prejudicando a saúde?

Já publicamos aqui no blog informações sobre glúten e dieta – para quem quer diminuir o consumo e para as pessoas que não podem consumir em absoluto. Apesar de haver intolerâncias, a eliminação total é indicada apenas para celíacos (que representam, no máximo, 1% da população).

Vários grandes estudos publicados recentemente sugerem que a redução por aqueles que não têm uma boa razão de saúde para fazê-lo pode estar causando danos à saúde. Veja alguns motivos.

O que é o glúten?

É uma proteína encontrada em grãos como trigo, cevada e centeio, e em muitos alimentos processados. O glúten acrescenta elasticidade e textura em produtos assados.

Quem deve o evitar?

Pessoas com doença celíaca não devem comer essa proteína. Nos últimos anos, outra condição tem sido descrita: “sensibilidade ao glúten não celíaca”. Pessoas com essa última condição têm sintomas menos graves do que as com doença celíaca, e apenas a redução do glúten é suficiente para diminuir os sintomas.

Quais são as novas preocupações sobre a falta de glúten?

Estudo publicado no British Medical Journal sugere que as pessoas que reduzem sem necessidade podem estar aumentando o risco de doença cardíaca. A razão é que cortar essa proteína geralmente significa cortar severamente a fibra em alimentos também. A fibra, especialmente aquela encontrada em grãos inteiros, ajuda a reduzir o risco de doença cardíaca e derrame. Alimentos ricos em fibras também nos satisfazem melhor, o que nos ajuda a controlar o nosso peso.

Assim, as pessoas que reduzem o glúten podem não estar consumindo fibra suficiente e aumentando o risco de doença cardiovascular. Além disso, podem estar se privando dos nutrientes e vitaminas (especialmente vitaminas B) encontrados em alimentos com glúten.

Outro estudo, apresentado em uma reunião recente da American Heart Association, envolveu cerca de 200.000 participantes. Os resultados mostraram que as pessoas que comem mais glúten tinham um menor risco de desenvolver diabetes tipo 2. A razão novamente parece ser a falta de fibra em uma dieta de baixo teor de glúten. A alta ingestão de fibra reduz o risco de diabetes, bem como de doenças cardíacas e acidentes vasculares cerebrais.

Existem outros problemas com uma dieta de baixo teor de glúten?

Pesquisas sugerem que muitas pessoas com dieta de baixo teor podem compensar a falta aumentando a ingestão de açúcar e gordura. Alimentos de baixo teor de glúten quase sempre custam mais – e podem não ser tão gostosos. Outra questão, recentemente descoberta, é que muitos alimentos sem glúten o substituem por farelo de arroz. O arroz pode conter muito arsênico (vamos discutir este problema potencial em nosso próximo post).

Então, o que devo fazer?

Se você tem doença celíaca, é preciso cortar todo essa proteína da sua dieta e se certificar de que você obtém fibras adequadas de outras fontes, bem como vitaminas e nutrientes. Se você não tiver certeza, a melhor coisa é consultar um nutricionista ou um médico, de preferência um gastroenterologista ou nutrologista. É um tema complexo e individual, e você pode se beneficiar de um profissional de saúde com um bom conhecimento sobre o assunto.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Por que ervas e especiarias são tão boas para a saúde

9 dicas para adicionar cúrcuma (açafrão) à sua dieta

Esta postagem também está disponível em: Inglês