sustentabilidade e comida

Como a comer bem pode ajudar a sustentabilidade

Sustentabilidade é um termo que ouvimos cada vez mais, mas o que isso tem a ver com a alimentação e a nossa saúde? O conceito principal é que podemos escolher o alimento que é saudável para o corpo e que não contribui para a destruição do nosso meio ambiente.

Especificamente, comer de forma sustentável significa escolher alimentos com consciência para proteger a diversidade das nossas plantas e animais. A escolha também envolve preservar nossos recursos naturais, como a água. Isso significa optar por alimentos que contribuem menos para as alterações climáticas, que incluem tratamento humano dos animais e que protegem a saúde dos trabalhadores rurais.

Comendo de forma sustentável sempre envolve alimentos mais saudáveis. Para ajudar você nessa escolha, aqui estão algumas dicas.

Sustentabilidade

1) Coma menos carne, especialmente carne bovina

A carne é cara não apenas no supermercado, mas também exige um enorme custo ambiental. Nenhuma outra atividade humana, por si só, tem impacto maior no planeta que a criação de gado. Uma vaca consome de 75 a 300 kg de matéria seca (grama ou grãos) para produzir um quilo de proteína.

Um relatório de 2013 das Nações Unidas estimou que a criação de gado é responsável por 14% de todas as emissões de gases de efeito estufa. Essa quantidade é igual à contribuição para as emissões globais de todos os carros, caminhões, ônibus e outros transportes combinados. Para cada quilo de carne bovina consumida, 27 kg de gases de efeito estufa são produzidos. Carne de porco é menos prejudicial ao meio ambiente, com 12 kg de gases produzidos por cada quilograma consumido. De todas, o frango é a que causa menos impacto, com 7 kg de gases produzidos por cada quilo consumido.

Então, se você come carne todos os dias, você pode mudar para o frango em alguns dias por semana. Ou ainda melhor: considere legumes e feijões como fontes de proteína adicionais. Eles são extremamente menos prejudiciais ao meio ambiente e também mais saudáveis, ricos em fibras e antioxidantes, e sem as gorduras saturadas encontradas principalmente na carne bovina.

2) Evite alimentos processados

Por definição, comida processada (como salame, bacon, junk food, refrigerantes, lanches embalados e enlatados) exige muito mais recursos para a produção do que o alimento preparado por você mesmo. Geralmente, os alimentos processados contêm produtos químicos que têm sido associados ao desenvolvimento de câncer. E os processos de fabricação muitas vezes elimina os antioxidantes e nutrientes saudáveis que existiam no alimento antes do processamento.

3) Compre em feiras

 Em geral, vegetais vendidos em supermercados são transportados por longas distâncias até chegarem às prateleiras. Esse processo gasta mais combustível, aumenta o tráfego e a poluição e diminui a qualidade nutritiva dos alimentos – já que quanto mais tempo o produto leva para chegar a você, mais nutrientes são perdidos. Então, para comer de forma mais saudável, compre em feiras livres sempre que possível.

4) Compre orgânicos sempre que puder

Orgânicos costumam ser mais caros, mas isso é justificado pelo cuidado que exigem na produção de legumes, frutas, ovos e carnes sem produtos químicos, hormônios ou pesticidas. Também há pesquisas que apontam que orgânicos são produzidos em solos e em ambientes mais saudáveis também, o que muitas vezes leva à produção de alimentos mais ricos em anti-oxidantes, flavonóides, vitaminas, minerais e outros nutrientes. A agricultura biológica respeita o solo e o protege para as gerações futuras.

Sabemos que há uma diversidade de motivos para escolher alimentos mais sustentáveis e que este post relata apenas a ponta do iceberg. O importante a termos em mente é que, sempre que fizermos escolhas, precisamos lembrar que o que é bom para o planeta, é melhor para os nossos corpos também.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Por que a carne vermelha pode causar câncer?

Vinho tinto pode ajudar a saúde cardiovascular em diabéticos

Esta postagem também está disponível em: Inglês