Mais Saúde

Arsênio no arroz: como ter um alimento saudável?

O arroz fornece 20% das calorias diárias para metade da população mundial. Vários estudos recentes começaram a apontar para um problema: o arroz possui uma quantidade de arsênio muito maior que a presente em outros alimentos. Mas isso é preocupante? Ele pode se tornar prejudicial para a saúde? Há maneiras de evitar uma contaminação?

O que é o arsênio?

O arsênio é um dos metais pesados encontrados naturalmente em nosso ambiente. Assim como mercúrio, chumbo e cádmio, o arsênio é encontrado na água, no solo e acaba entrando também nos alimentos. Assim, não temos como evitá-lo completamente, mas devemos minimizar a nossa exposição.

Por que o arsênio é encontrado no arroz?

O arroz tem maior concentração de arsênio que qualquer outro alimento porque é cultivado em campos alagados. Como os grãos são porosos, acabam absorvendo muito desse metal pesado encontrado na água que inunda os arrozais.

Que mal pode fazer o arsênio?

Ingerido em uma grande dose de uma vez, ele provoca vômitos, pressão arterial baixa e até mesmo a morte. Quantidades menores ao longo dos anos podem contribuir para a aterosclerose, para problemas neurológicos e câncer de pulmão, pele e bexiga. As crianças que consomem muito podem ter problemas de desenvolvimento. Em mulheres grávidas, ele pode levar a defeitos de nascimento. Embora nosso organismo elimine toxinas como o arsênio por meio da urina, ainda não se sabe quanto desse metal é considerado muito a ponto de nos causar problemas.

Cereais de arroz são um risco para crianças?

Esta é a principal preocupação. O maior problema pode ser em crianças menores de 5 anos que comem cereais de arroz e biscoitos diariamente. Com pesos corporais menores e órgãos em formação, problemas de desenvolvimento podem surgir se uma parte significativa de sua dieta é baseada em arroz.

Por isso, quando as mães entram no processo de troca da amamentação por alimentos, indica-se que a dieta não consista unicamente em produtos de arroz. É bom variar os grãos com aveia fortificada, cevada, ou multigrãos, todos com níveis de arsênio 10 a 20 vezes menor que o arroz.

Os adultos deveriam cortar o arroz da dieta?

Os adultos não precisam evitar o arroz porque há maneiras de prepará-lo que reduzem a maior parte do arsênio.

Como podemos preparar um arroz mais saudável?

A melhor maneira é cozinhar o arroz usando muito mais água do que o normal. Cozinhe da mesma forma que massas: com 6 a 10 partes de água para 1 parte de arroz. Assim, 40% a 60% desse metal pesado deixam os grãos e vão para a água durante o cozimento. Escorra o excesso de água quando terminar. Não cozinhe até que toda a água evapore.

Embora algumas organizações, incluindo a Food and Drug Administration (EUA), não acreditem que seja eficaz, outra opção é enxaguar o arroz antes de cozinhar, ou deixá-lo de molho durante a noite em muita água. No entanto, esses processos também removem mais nutrientes, como tiamina, ferro, folato e niacina, sem remover tanto o arsênio.

O arroz orgânico tem menos arsênio?

Infelizmente não.

Arroz integral x Arroz branco

Enquanto o arroz integral tem mais nutrientes e é menos provável que contribua para o diabetes, ele também tem mais arsênio que o arroz branco. Quando o arroz integral se torna branco, a casca externa, que contém grande parte do arsênio, é removida, assim como grande parte dos nutrientes.

Então, o que eu devo fazer?

Para crianças, tente as orientações que sugerimos acima. Para adultos, não coma arroz integral todos os dias e cozinhe seu arroz em muita água. As variedades jasmim e basmati têm muito menos arsênio. Também é uma possibilidade alternar o arroz com outros grãos, como quinoa, milho, polenta ou amaranto, que têm pouco ou nenhum arsênio.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Óleo de coco: sete perguntas e respostas

Arsênio no arroz: como ter um alimento saudável? was last modified: maio 31st, 2017 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês