alimentos saudáveis não caro

Alimentos saudáveis são realmente mais caros?

Em geral, quando você compara dois alimentos antes de comprar, você tende a pensar que o mais caro é mais saudável? Pesquisas apontam que esse é o pensamento geral das pessoas, mesmo que os alimentos mais caros não sejam realmente os mais saudáveis nem os mais saborosos.

O estudo mais recente sobre esse assunto será publicado em breve no Journal of Consumer Research, e envolveu centenas de estudantes universitários. Eles passaram por cinco experiências diferentes que apontaram os fatores que os levavam a comprar alimentos saudáveis e o peso que o preço tinha sobre a decisão.

Os resultados mostraram que os voluntários pensaram que a opção mais cara era a mais saudável. Por exemplo, em um dos experimentos, eles tinham que escolher o sanduíche mais saudável entre dois a que foram apresentados. A maioria dos voluntários selecionou o mais caro, mesmo quando os preços foram trocados entre os dois sanduíches. Ou seja, apesar da aparência e do conteúdo, eles acreditavam que o mais caro era o mais saudável.

Resultados semelhantes foram publicados na revista Appetite em 2013 e explicados em um post no Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Para ajudar você a não cair nesta armadilha, separamos seis dicas que podem melhorar a alimentação e poupar dinheiro.

1) Lembre-se: ser mais caro não significa ser mais saudável

2) Olhe para o fundo das prateleiras

Em geral, as lojas organizam as prateleiras de modo a deixar em evidência os produtos mais caros. Vale a pena olhar para além dos lugares mais chamativos e buscar por outras opções.

3) Seja cético com produtos que se nomeiam “saudáveis” ou “naturais”

Estes termos na embalagem não significam necessariamente que o alimento é realmente saudável ou natural.

4) Leia a informação nutricional no rótulo

Ignore o marketing das embalagens e adquira o hábito de ler as informações nutricionais. Muitas vezes elas estão em letras pequenas, então leve óculos, se for preciso. As informações mais importantes a considerar são:

– 0% gordura trans

– baixo teor de gordura saturada e sódio

– baixo teor de açúcares (carboidratos) ou açúcares adicionados

– rico em fibra

– rico em nutrientes como vitaminas A, C, D, cálcio, ferro e potássio

5) Compre estrategicamente legumes e frutas

Tente comprar mais frutas e legumes da época – eles costumam custar menos e são mais saborosos. Evite frutas pré-cortadas, que custam caro e podem não ter tantos nutrientes. Não tenha medo de itens ligeiramente machucados ou mais feios – eles podem ser mais baratos e tão bons quanto os mais bonitos.

6) Não desperdice

Muitas pessoas jogam fora legumes e frutas que ainda podem ser usados. Uma dica é congelá-los, in natura ou em sopa, por exemplo. Outra é evitar fazer compras quando estiver com fome – isso faz com que você leve para casa muito mais do que realmente precisa.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

O que é mais saudável, açúcar ou adoçante?

Conheça as proteínas que estão além das carnes

Esta postagem também está disponível em: Inglês