Novo tratamento para enxaqueca

Novo tratamento para enxaqueca

Cerca de 15% das pessoas, em algum momento da vida, sofrem de enxaqueca – que pode ser grave, recorrente e incapacitante. Para tentar solucionar esse problema, um novo tratamento para enxaquecas crônicas está disponível nos EUA e provavelmente será lançado no próximo ano no Brasil.

O que é uma enxaqueca?

As enxaquecas geralmente começam na infância ou no início da idade adulta. Ocorrem em apenas um lado da cabeça e a dor é latejante ou pulsante, de intensidade moderada a intensa. Durante uma enxaqueca, os pacientes buscam descansar em um quarto escuro e silencioso, já que o barulho ou as luzes pioram a dor. Pessoas que sofrem com enxaqueca acabam tendo dores recorrentes – e podem chegar até a várias vezes por mês.

Mais comum em mulheres

Em adultos, a enxaqueca é três vezes mais comum em mulheres, especialmente na faixa dos 30 anos. Curiosamente, durante a infância, os meninos têm incidência maior. Mudanças nos níveis hormonais fazem com que as enxaquecas se tornem mais comuns em mulheres após a puberdade. Em dois terços dos casos, outra pessoa da família também tem história de enxaqueca.

Quatro etapas de uma enxaqueca

O episódio clássico de enxaqueca ocorre em quatro estágios (o que não significa que ocorram obrigatoriamente em todas as pessoas do mesmo jeito). Primeiro é o “pródromo”, alguns dias antes do início da dor de cabeça, onde as pessoas sabem que ela está chegando. O estágio seguinte é o de aura, que ocorre em cerca de 20% dos casos. Neste estágio, uma pessoa pode ver flashes de luz ou padrões em zigue-zague em sua visão, às vezes com pontos cegos ou formigamento no rosto.

O terceiro estágio é a dor de cabeça em si, que dura de algumas horas a até 3 dias, se não for tratada. O quarto estágio é o “pós-drome”, onde mudanças de humor ou hipersensibilidade a luzes e sons podem ser notadas. Este estágio dura até 24 horas.

Enxaqueca frequentemente não diagnosticada

Muitas pessoas com enxaqueca podem pensar que estão tendo apenas uma dor de cabeça sinusal ruim. Até os médicos podem não reconhecer a enxaqueca.

Um estudo mostrou que 88% das dores de cabeça autodiagnosticadas pelo paciente e pelo médico como sinusite eram, na verdade, enxaquecas. Então, se você tiver dores de cabeça recorrentes, converse com seu médico sobre a possibilidade de ser enxaqueca.

Gatilhos

Os pacientes frequentemente notam que certas coisas podem desencadear um ataque. Muitas mulheres notam mais ataques perto de seu período menstrual. Certos alimentos podem ser gatilhos: queijo envelhecido, salgados, aditivos alimentares, álcool ou cafeína são irritantes comuns. Falta de sono, mudanças climáticas e estresse também podem ser gatilhos.

Tratamento atual

Durante a dor de cabeça, os analgésicos padrão são úteis. Algumas pessoas podem necessitar de uma classe diferente de medicamentos, como ergotaminas. Mas muito do tratamento baseia-se em tentar evitar que as dores de cabeça ocorram em primeiro lugar, ou pelo menos diminuir sua frequência.

Além de evitar gatilhos, os possíveis tratamentos incluem acupuntura, exercícios e controle do estresse, antidepressivos, drogas para epilepsia, injeções de botox e uma classe de medicamentos chamados triptanos. Novos tratamentos incluem dispositivos de pulsos magnéticos ou elétricos na cabeça. A melhor abordagem é discutir as muitas opções com um neurologista.

Mais novo tratamento

A droga recém-liberada nos EUA para tratar enxaqueca é o erenumab, um dos novos anticorpos monoclonais de engenharia biológica. Ela é administrada por injeção uma vez por mês. Em algumas pessoas, o medicamento resolve a enxaqueca por completo, mas, na maioria dos casos, o fármaco reduz a frequência da enxaqueca em cerca de metade.

Embora o erenumab pareça ter poucos efeitos colaterais, como a maioria dos medicamentos dessa classe, ainda é muito caro. Mas este é apenas o primeiro medicamento desta classe a ser lançado. Outros estão em desenvolvimento – e esperamos que sejam ainda mais eficazes e mais acessíveis.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

O açafrão pode ajudar a prevenir a demência?

12 maneiras para ajudar prevenir a doença de Alzheimer

Esta postagem também está disponível em: Inglês