Mulheres com alto rendimento físico têm risco 90% menor de demência

Mulheres com alto rendimento físico têm risco 90% menor de desenvolver demência

Recentemente, compartilhamos um estudo médico sobre como as pessoas mais velhas podem ter o sistema imunológico equivalente ao de uma pessoa muito mais jovem quando se mantêm em forma física muito boa. Desde então, outro estudo foi publicado – este na revista médica americana Neurology – sobre como as mulheres que estão em boa forma mostram um risco incrivelmente menor de desenvolver demência.

O estudo começou na Suécia em 1968 e analisou a saúde das mulheres ao longo de muitos anos. Como parte do estudo de demência, 191 mulheres, com a idade média de 50 anos, foram submetidas a um teste que mediu a aptidão cardiovascular máxima. A frequência cardíaca e a pressão arterial foram medidas enquanto pedalavam em uma bicicleta estacionária o mais forte que podiam.

Algumas das mulheres se saíram muito bem e outras não muito bem. Com base nos resultados, elas foram classificadas em três grupos: alta aptidão, aptidão média e baixo nível de aptidão física. Durante os 44 anos seguintes, as mulheres passaram seis vezes por testes mentais para detectar demência. Finalmente, em 2012, os resultados do desde 1968 foram correlacionados com o fato de desenvolverem demência ou não.

Nível de rendimento e demência

Quarenta e quatro (23%) das mulheres apresentaram sinais de demência até o final do estudo. Mas o risco de demência diferiu muito dependendo de aptidão cardiovascular medida em 1968. Aqui está o risco com base na aptidão:

Alta aptidão: risco de 5% de demência

Aptidão média: risco de 25% de demência

Baixa aptidão: risco de 32% de demência

Isso significa que as mulheres com alto nível de condicionamento físico tiveram chance 88% menor de desenvolver demência durante os 44 anos de estudo em comparação com as mulheres de níveis de aptidão baixa e média.

Além disso, entre as (poucas) mulheres de alta aptidão que desenvolveram demência, ela inicou quase 10 anos mais tarde do que as mulheres nos grupos de menor aptidão.

De acordo com a PhD Helena Hörder, principal autora do estudo, “essas descobertas são estimulantes porque é possível que, quando se melhora a aptidão cardiovascular das pessoas na meia-idade, também se possa atrasar ou mesmo impedir que desenvolvam demência”.

Apenas em mulheres?

Este estudo foi feito apenas com mulheres, mas é muito provável que os resultados também se apliquem aos homens. Há outros estudos, incluindo um feito na Suécia, que sugerem que homens altamente aptos têm um risco muito menor de desenvolver demência.

Outra razão para manter a forma!

Assim como informamos há algumas semanas sobre o impacto positivo do alto nível de condicionamento físico no sistema imunológico, aqui está outro bom motivo para manter-se muito ativo. Embora o estudo não prove que os altos níveis de condicionamento físico evitem que você sofra de demência, acreditamos que a coisa mais inteligente a fazer seja acreditar no estudo e manter as atividades físicas constante em sua vida.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

A ligação entre o açúcar e a doença de Alzheimer

4 formas rápidas e incomuns de aumentar a memória

Esta postagem também está disponível em: Inglês