Mais Saúde

Nova abordagem para tratar ciclos menstruais prolongados

Os períodos menstruais excessivamente longos e/ou intensos – chamados menorragia – são um problema comum em mulheres, causando não só inconveniências e perturbações na qualidade de vida, mas também anemia e, em casos graves, sem repostas aos tratamentos médicos, a única maneira de resolver o problema é retirar o útero.

Nenhuma mulher deve passar por esse problema ou pelos riscos potenciais de fazer a histerectomia. Por isso, os médicos estão, constantemente, tentando encontrar melhores e novas terapias. O primeiro desafio é o de encontrar a causa do sangramento excessivo: se nenhuma doença grave subjacente é detectada, os tratamentos mais comuns fazem uso de vários medicamentos, incluindo hormônios anticoncepcionais orais.

Médicos da Universidade de Birmingham (Inglaterra) conduziram um estudo de longo prazo para ver se um DIU, contendo o hormônio de controle de natalidade – o levonorgestrel -, era melhor do que os medicamentos orais habitualmente utilizados. Eles descobriram uma clara vantagem: a abordagem do DIU mostrou resultados superiores no curto e longo prazo.

As conclusões da pesquisa foram apresentadas na edição de 10 de janeiro do New England Journal of Medicine (Boston, EUA). O estudo foi conduzido principalmente pelos médicos e pesquisadores Janesh Gupta e Joe Kai, que observaram uma escala de “qualidade de vida”, usada para medir a menorragia, chamada de MMAS (Menorragia Escala Multiatributo). A medida desta escala, que varia de 0 a 100 (quanto menor a pontuação, o pior são os sintomas), avalia todas essas áreas na vida da mulher afetada: dificuldades práticas, vida social, vida familiar, trabalho e rotina diária, bem-estar psicológico e saúde física.

As mulheres que usaram o sistema DIU de levonorgestrel melhoraram 33 pontos na escala MMAS. As mulheres que usaram vários medicamentos orais tradicionais melhoraram apenas 21 pontos. Assim, a abordagem do DIU foi claramente superior. Os pesquisadores também descobriram que, dois anos após o início do estudo, mais mulheres ainda preferiam usar o DIU ante a medicação oral. Eles não encontraram nenhuma diferença nos efeitos colaterais ou riscos entre o DIU e os medicamentos tradicionais.

O sistema DIU de levonorgestrel está disponível no Brasil e nos EUA sob o nome de marca Merina, e funciona tanto como um contraceptivo altamente confiável, bem como proporciona alívio ao sangramento excessivo. O Merina diminui o sangramento, uma vez que dilui o revestimento do útero, e diminui a cólica uterina.

Uma vez inserido por um médico qualificado, o Merina pode funcionar bem e sem necessidade de troca por 5 anos. Uma nova apresentação do DIU de 3 anos está sendo desenvolvida para as mulheres que preferem um dispositivo de mais curta atuação. Mas qualquer que seja o dispositivo utilizado, além de aparentemente fornecer resultados superiores, o DIU liberta a mulher da necessidade de tomar os comprimidos todos os dias.

Se você ou alguma conhecida reclama da menstruação excessiva, procure um médico qualificado para uma avaliação e pergunte sobre o Merina. Ele poderia tornar a vida mais agradável e livre da necessidade de medicação diária.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

*DIU é o melhor método contraceptivo de emergência

Nova abordagem para tratar ciclos menstruais prolongados was last modified: junho 17th, 2016 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês