pregnancy and caffeine

Cafeína durante gravidez e amamentação não prejudica o sono do bebê

Próximo domingo será comemorado o Dia das Mães. Uma data que nos remete a pensar, ainda mais, sobre os cuidados que as mulheres precisam ter durante a gravidez ou na amamentação. Um conselho que é muito dado para mulheres grávidas e lactantes é o de reduzir o consumo de café para não provocar insônia no bebê.

Cafeína durante gravidez e amamentação

Porém, uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), no Rio Grande do Sul, mostrou que o consumo de cafeína durante a gravidez e amamentação não prejudica o sono dos bebês.  O consumo, no entanto, deve ser moderado afirmam os especialistas.

O estudo, coordenado pela médica Dra. Iná da Silva dos Santos, e publicado no periódico Pediatrics, se restringiu aos bebês nascidos no ano de 2004 no município de Pelotas. Os pesquisadores entrevistaram as mães de todos os 4.231 bebês que nasceram naquele ano nos hospitais da cidade. Nas entrevistas, buscaram obter detalhes sobre seus hábitos de consumo de bebidas que contêm cafeína (como café, refrigerante de cola e chimarrão), em cada um dos três trimestres de gestação.

Após três meses dos nascimentos, os pesquisadores conseguiram entrar em contato novamente com 885 mulheres para saber sobre o comportamento de seus filhos. Com o objetivo de apurar a qualidade do sono dos bebês, procuraram saber das mães o número de vezes em que seus filhos acordaram durante a noite nos 15 dias anteriores à entrevista. O estudo concluiu que não foi encontrada relação significativa entre o consumo de cafeína e relatos de problemas de sono dos bebês. Em relação a episódios de choro ou cólica, não foi observada qualquer diferença entre os filhos das mulheres que consumiam cafeína em grande ou em pequena quantidade.

De acordo com a Dra. Iná, foram consideradas desde características biológicas e comportamentais até a condição socioeconômica das mães, que poderiam interferir, por exemplo, no ambiente em que as crianças dormiam. Sendo assim, foi levado em consideração dados como a idade da mãe, cor da pele, escolaridade, renda familiar, número de partos anteriores e consumo de álcool, além do sexo do bebê, diz a médica.

Mesmo que o presente estudo teha encontrado nenhum problema entre o consumo de cafeína para com o sono dos bebês, a quantidade de cafeína ingerida deve ser moderada. No ano de 2010, o American College of Obstetricians and Gynecologists publicou um comunicado, onde considera que uma quantidade moderada (200 mg – – aproximadamente a quantidade de um copo de 350 ml de café), não ingerida por grávidas não aumenta as chances de aborto ou de parto prematuro. No entanto, é importante lembrar que isso vale para gestações normais e saudáveis, já que bebês prematuros, por exemplo, podem ser mais sensíveis aos efeitos da cafeína consumida por mulheres que estão amamentando.

De qualquer maneira, antes de fazer qualquer mudança significativa na sua dieta durante a gravidez, ou qualquer dúvida sobre sua dieta durante a gravidez, consulte seu obstetra. Se você precisa encontrar um obstetra, é fácil e rápido fazê-lo em nosso site: www.procuramed.com.

Além de uma alimentação equilibrada, cabe ressaltar da importância da prática de exercícios físicos durante a gravidez, além da realização de um pré-natal. Outros hábitos, como fumar e o consumo de bebidas alcoólicas, não devem ser realizados, para que desta maneira eventuais riscos sejam minimizados.

A ProcuraMed deseja um ótimo Dia das Mães para todas as mães e às futuras!

Veja outros artigos relacionados ao assunto:

 * Alimentação materna e o efeito no desenvolvimento dos filhos

* Condições na infância afetam obesidade na fase adulta

Educar as crianças diminui o risco de doenças cardiovasculares dos pais

* Grávidas que exercitam-se protegem os filhos contra o Alzheimer

Esta postagem também está disponível em: Inglês