sabonete antibacteriano

Por que os EUA estão proibindo sabonetes antibacterianos

Fabricantes de sabonetes foram proibidos pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos de, no prazo de um ano, fabricar produtos que possuam agentes químicos antibacterianos, como triclosan ou similares. Essas mesmas substâncias químicas são usadas em sabonetes sólidos e líquidos também no Brasil, por isso, procuramos saber qual é a preocupação.

A proibição era pedida por grupos de saúde pública há anos. Esses grupos afirmam que produtos químicos antibacterianos no sabonete causam mais mal do que bem. Em resposta, em 2013 a FDA notificou os fabricantes a dar provas de que os produtos químicos eram seguros para a exposição humana, e que a adição destes químicos em sabonetes levava a desempenho melhor do produto em comparação a sabonetes comuns.

Os fabricantes apresentaram alguns estudos, mas a FDA determinou que a evidência não foi convincente. A conclusão é que pode haver consequências a longo prazo para a saúde, especialmente para as crianças. Além disso, a FDA não ficou convencido de que a ação antibacteriana desses sabonetes funciona melhor do que o uso de sabonetes regulares.

A decisão abrange não só o triclosan, o produto químico de uso mais comum, mas também outros 18 compostos, como triclocarban, que se enquadram na mesma categoria.

A “ação antibacteriana” é um termo de marketing forte, que vende bem. Por isso, esses compostos químicos são usados por fabricantes em uma vasta variedade de produtos: enxaguante bucal, xampu, desodorante, creme dental, tábuas para corte de alimentos, meias, brinquedos e até mesmo chupeta de bebê.

O cientista Dr. Rolf Halden, do Instituto de Biodesign na Universidade do Estado do Arizona, é um dos maiores especialistas no assunto. Ele expressou alegria sobre a ação da FDA, já que esses componentes acabam sendo absorvidos por nosso organismo: “Eu ficava impressionado do porquê estávamos agarrados a estes compostos… Eles não tinham absolutamente nenhum benefício, mas eram mantidos em torno de nós, em todos os lugares. Eles estão no leite materno, na urina, no sangue, em bebês recém-nascidos, no pó, na água.”

Consequências para a saúde com sabonete antibacteriano

Há evidências crescentes de que esses produtos químicos são absorvidos por nossos corpos e afetam o equilíbrio hormonal.

Estudos em animais mostraram inibição no desenvolvimento dos órgãos reprodutores. O triclosan pode ligar-se a receptores de hormonas que normalmente se ligam ao estrogénio, e há preocupação de que estes químicos possam estimular o crescimento de cancros da mama. Nos homens, eles podem interferir na produção de esperma saudável.

Crianças com altos níveis de triclosan têm maior risco de alergias respiratórias. Estes componentes químicos absorvidos também podem estar mudando a microflora normal do nosso intestino – o que alguns estudos indicam como possível causa de obesidade.

Além destes efeitos, o uso generalizado de produtos antibacterianos começa a ser pensado como uma ligação que contribui para o crescente problema da resistência aos antibióticos. Com estas substâncias em todos os lugares, as bactérias sofrem mutações para se tornar mais fortes e resistentes aos produtos químicos. Isto significa que quando você toma antibióticos para uma infecção, os antibióticos podem não funcionar tão bem como no passado.

A partir da proibição da FDA, grandes fabricantes, como Johnson e Johnson, começaram a retirar essas substâncias de seus produtos fabricados nos EUA, mas eles ainda são comumente encontrados no Brasil. Por isso, nossa dica é que você comece a repensar o uso de sabonetes de ação antibacteriana.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

6 mitos sobre HIV e AIDS

Pesquisa aponta riscos de tratar sinusites com antibióticos

Esta postagem também está disponível em: Inglês