4 fatos sobre febre

4 fatos sobre febre: é melhor tratá-la?

A maioria de nós aprendeu que, quando estamos doentes e com febre, devemos fazer algo para baixá-la. Para isso, geralmente medicação funciona. Mas essa é a melhor abordagem? Devemos realmente tratar a febre, se formos adultos e tivermos um resfriado ou uma gripe?

Estudos realizados os últimos 20 anos mostram que geralmente é melhor não tratar a febre. Observe que nossas recomendações dizem respeito apenas em adultos. As febres em crianças são mais complexas, com diferentes diretrizes de tratamento.

O que causa febre

A febre em si não é uma doença. É um sinal de que seu corpo está lutando contra uma doença e seu sistema imunológico está funcionando. Quando o seu corpo é invadido de forma significativa por um vírus ou bactéria, seu sistema imunológico entra em ação para matar o invasor.

Parte dessa acontece porque nossos glóbulos brancos aumentam em número e liberam várias substâncias químicas que matam o organismo invasor. Esses produtos químicos são “citocinas pirogênicas”, que consistem principalmente de interleucinas e fator de necrose tumoral. Essas substâncias viajam para o hipotálamo de nosso cérebro para reajustar o nosso “termostato” do corpo, localizado lá.

Para chegar a uma temperatura aumentada, começamos a tremer, nosso sangue é desviado de nossa pele para nossos órgãos centrais, e podemos querer ficar debaixo do cobertor para nos aquecer.

Normalmente, não é melhor tratar a febre com medicação

Desde meados da década de 1970, os experimentos realizados primeiro em lagartos e, em seguida, em ratos, mostraram que os animais com infecções graves com febre tinham uma taxa de sobrevivência muito maior do que os animais que não tinham. Isso levou à pesquisa em seres humanos, e estudos múltiplos demonstraram que a uma temperatura elevada, na maioria dos casos, é um bom sinal – ela ajuda o sistema imunológico a combater melhor a infecção. Pessoas com pneumonia, gripe, resfriado comum e até mesmo uma infecção sanguínea grave (sepsie), têm doenças mais curtas e sobrevivem melhor (no caso da sepsie) se tiverem febre.

Febre ajuda a combater a infecção

Muitos processos bioquímicos funcionam mais rápido em temperaturas mais elevadas, e seus processos do sistema imunológico também. A uma temperatura mais elevada, os glóbulos brancos matam as bactérias mais rapidamente, e as células B e T produzem mais anticorpos e matam os vírus de forma mais eficiente.

Como tratar sem medicamentos

Com todas essas descobertas, o crescente consenso entre os especialistas em doenças infecciosas é que a maioria das infecções se resolverá mais rapidamente sem medicamentos para baixar a febre, como aspirina e paracetamol. Uma coisa irritante, mas benéfica, sobre uma temperatura aumentada é que ela tende a mantê-lo mais em casa e em descanso, o que também ajuda a recuperar mais rápido.

Também é importante lembrar que, se você estiver quente, você perderá mais líquidos. Por isso, beba muita água, sopa (especialmente canja), chá ou sucos eletrolíticos, como Gatorade, para mantê-lo bem hidratado.

Mas quando você deve tratar febre?

Se os sintomas da febre forem muito incômodos– por exemplo, se a febre e as dores no corpo impedem você de dormir –, tome medicação. Mas se sua febre for alta, de 40 graus ou mais, se ela não diminuir, mesmo com medicamentos, ou persiste por mais de 3 dias, você deve consultar um médico. Estas são diretrizes gerais, e se você tiver alguma dúvida enquanto está doente, a abordagem mais segura é procurar cuidados médicos.

Na próxima vez que você tiver uma infecção comum, como o resfriado ou a gripe, tenha em mente isso. Você não tem que temer a febre – ela é realmente uma coisa boa e ajuda o seu sistema imunológico a funcionar melhor. Não se apresse para diminuí-la, a menos que você realmente precise.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Por que os EUA estão proibindo sabonetes antibacterianos

Aumento de expetativa de vida para pessoas com HIV positivo

Esta postagem também está disponível em: Inglês