aspirina reduz câncer de mama

Baixa dose de aspirina reduz risco de câncer de mama

Tomar uma dose baixa de aspirina pelo menos três vezes por semana pode reduzir em até 20% as chances de desenvolver câncer de mama em mulheres. Essa é a conclusão de um estudo publicado no último dia 1º de maio na revista Breast Cancer Research.

O estudo também foi chamado de Estudo das professoras da Califórnia e começou em 1995 com mais de 133.000 professoras e administradoras de escolas ativas e aposentadas. A partir de 2005, mais de 57.000 dessas mulheres começaram a responder regularmente perguntas sobre câncer, bem como o uso de aspirina e outros medicamentos. Elas também foram questionadas sobre fatores de estilo de vida, como dieta, peso, tabagismo e álcool.

Até o ano de 2013, cerca de 1.500 dessas mulheres haviam desenvolvido câncer de mama. A análise mostrou diminuição significativa do risco nas mulheres que tomavam aspirina regularmente. O tipo de câncer que apresentou a redução mais significativa foi o tipo mais comum – o subtipo “receptor hormonal positivo, HER2 negativo”.

Baixa dose de aspirina é eficaz

A dose de aspirina que se verificou ser eficaz foi bastante baixa,  de 81 mg. Comparativamente, para o controle da dor ou da febre, a dose mais usual é de 325 mg.

Algumas mulheres estavam tomando medicamentos “não-esteróides anti-inflamatórios”, como o ibuprofeno. Apesar de estarem relacionados à aspirina, estes medicamentos não diminuem o risco de cancro da mama.

Por que a aspirina reduz o risco

Primeiro, a aspirina tem fortes propriedades anti-inflamatórias, e acredita-se que a inflamação desempenhe um papel importante no desenvolvimento de câncer. Em segundo lugar, a aspirina pode estar agindo como um leve “inibidor da aromatase”, o que significa que reduz a quantidade de estrogênio no sangue – e o estrogênio tem se mostrado um combustível para muitos desses cânceres.

Aspirina, outros tipos de câncer e proteção cardíaca

Muitos adultos já estão tomando diariamente baixas doses de aspirina para ajudar a prevenir ataques cardíacos. A aspirina parece ajudar aqui porque “afina” o sangue, tornando menos prováveis coágulos sanguíneos no coração e ataque cardíaco. Muitos estudos mostraram um risco 15% a 20% menor de câncer colorretal em pessoas que tomam doses baixa de aspirina diariamente. Outras pesquisas sugerem que os cânceres de pulmão, pâncreas, próstata, ovário e melanoma também são menos prováveis – mas esses necessitam de mais pesquisas.

Riscos da aspirina diária

O risco principal de se tomar aspirina diariamente é o aumento do sangramento gastrointestinal e possivelmente um derrame hemorrágico. No entanto, com o método de baixa dose, para a maioria das pessoas o risco é pequeno em relação ao benefício de redução do risco de câncer e ataque cardíaco.

Todas as mulheres, especialmente aquelas com um risco mais elevado de cancro da mama (por exemplo, com uma história familiar forte) devem considerar tomar uma dose baixa de aspirina diariamente. A aspirina, combinada com exercícios regulares, com uma dieta saudável e sem cigarros e sem excesso de álcool, diminuirá significativamente o risco de uma mulher desenvolver câncer de mama e provavelmente de vários outros tipos de câncer também.

No entanto, especialmente se você tem algum transtorno de sangramento ou está tomando algum medicamento que afeta a coagulação, você precisa conversar com seu médico antes de começar qualquer tratamento.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

6 benefícios do beijo para a saúde

Cuidados com o paracetamol durante a gravidez

Esta postagem também está disponível em: Inglês