Mais Saúde

Dieta a base de vegetais é melhor que medicação para tratar refluxo

Mudar a dieta e inserir mais vegetais na alimentação pode funcionar melhor que medicamentos para o tratamento de refluxo. É o que mostra pesquisa realizada em Nova York, divulgada recentemente.

Tipos de refluxo

Antes de falarmos da pesquisa, é importante entendermos que existem dois tipos básicos de refluxo. A forma mais comum e conhecida é chamada de refluxo gastroesofágico. Ela é causada por enzimas digestivas e ácido que, em vez de ficarem no estômago, como deveriam, viajam para cima no esôfago. O sintoma mais comum é azia.

O outro tipo de refluxo é chamado de “refluxo laringofaríngeo”, que é causado principalmente pela enzima digestiva pepsina, que viaja para ainda mais acima do esôfago, até a parte superior da garganta. Os sintomas são: necessidade contínua de limpar a garganta, tosse crônica, sensação de nó no dorso da garganta, rouquidão e problemas de deglutição. Este tipo de refluxo é mais difícil de diagnosticar, porque a maioria dos pacientes e médicos não pensa nisso. Mas um exame de um otorrinolaringologista geralmente pode confirmar o diagnóstico.

Tratamentos usuais

Ambos os tipos de refluxo são frequentemente tratados evitando alimentos que desencadeiam os sintomas, além de medicamentos. Os desencadeantes típicos são café, chá, chocolate, refrigerante, alimentos fritos ou gordurosos e álcool. Os medicamentos mais comuns utilizados são chamados de inibidores da bomba de prótons, como omeprazol e lansoprazol.

O problema é que às vezes os medicamentos não funcionam. Além disso, o uso prolongado desses medicamentos não é aconselhável. Embora seja necessária mais pesquisa, suspeita-se que o uso prolongado aumente o risco de fraturas ósseas, ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais e problemas renais. Assim, o tratamento sem medicamentos (ou com medicamentos menos intensos, como a ranitidina) é uma abordagem melhor.

Vegetais trazem resultados melhores

A pesquisa americana envolveu 184 pessoas com refluxo laringofaríngeo. O estudou foi feito durante 6 semanas, com dois tratamentos diferentes. No primeiro, 85 pacientes foram tratados com a medicação padrão da bomba de prótons, além de evitar alimentos desencadeantes. Os outros 99 foram tratados principalmente com uma dieta vegetariana, que os autores chamaram de “dieta mediterrânea”.

Esta dieta era composta por 90% de plantas e 10% de carnes e produtos lácteos. A ênfase estava em frutas, vegetais, castanhas e legumes, como feijão. Eles restringiram a carne a 2 a 3 pequenas porções por semana, com produtos lácteos limitados. Outra coisa que o grupo desta dieta fez foi beber “água alcalina” durante o dia em vez de água normal.

Água alcalina

A água alcalina, que é menos ácida do que a água padrão, demonstrou neutralizar a enzima pepsina, que é a principal irritante no refluxo da garganta superior. A maioria das águas minerais engarrafada são alcalinas (verifique se o pH está acima de 7,0). E você também pode fazer essa água em casa: dissolva ½ colher de chá de bicarbonato de sódio em 1 litro de água filtrada.

Resultados do estudo

Após 6 semanas, 54% das pessoas tratadas com medicamentos mostraram melhora muito significativa em seus sintomas. Mas os resultados do grupo de mudanças na dieta foram melhores: 63% apresentaram melhora, e, como um bônus, perderam em média 3 kg durante o estudo.

Esta pesquisa sugere que, se você tiver refluxo, em vez de medicamentos, você pode considerar a opção de mudança na dieta – para uma dieta mediterrânea, principalmente vegetariana. Mas, se a dieta mediterrânea é muito radical para você, busque melhorar diminuindo a ingestão de carne e aumentando o consumo de legumes e castanhas.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

10 legumes vermelhos poderosamente saudáveis

Azeite de oliva extra-virgem pode diminuir risco de câncer de mama

Dieta a base de vegetais é melhor que medicação para tratar refluxo was last modified: setembro 27th, 2017 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês