Aterramento

Aterramento: uma nova tendência na medicina alternativa

Aterramento (“grounding” em inglês) é uma tendência relativamente nova na medicina alternativa. Como você sabe, não discutimos tratamentos alternativos aqui no blog se eles não têm suporte científico razoável publicado em bons jornais médicos. O aterramento não possui muitas pesquisas que o apoiem neste momento, mas achamos o conceito intrigante e que vale a pena considerar.

Ao contrário de muitos tratamentos alternativos, o aterramento parece ter muito pouco risco ou efeito colateral, e você não precisa gastar dinheiro para experimentar.

Qual é a ideia de aterramento?

No último século, a maioria das pessoas se separou do contato com a superfície real da Terra, e essa desconexão nos torna mais suscetíveis a doenças crônicas. Até então, a maior parte da humanidade saía sem sapatos ou com sapatos de sola de couro, o que permitia mais contato com a terra. Agora, estamos vivendo em prédios e caminhando com sapatos sintéticos, que nos isolam do contato com a terra.

Por que o contato com a terra é importante?

A teoria é que estamos superexpostos à radiação eletromagnética dos dispositivos eletrônicos que nos rodeiam. Esse bombardeio constante pode ser prejudicial. A teoria do aterramento acredita que essa exposição à energia faz com que alguns átomos de nossas células se desprendam ou percam elétrons. Isso cria radicais livres danosos, levando a doenças crônicas, câncer e envelhecimento prematuro.

Como a terra pode dar uma ajuda?

A Terra é como uma grande bateria e uma fonte de elétrons extras que podem fluir para o nosso corpo e neutralizar os radicais livres que já perderam um elétron. Quando diminuímos os radicais livres, diminuímos o risco de doenças crônicas. Normalmente pensamos em neutralizar os radicais livres comendo alimentos com propriedades antioxidantes ou certos suplementos. As pessoas que propõem o aterramento acreditam que o contato com a terra é outra maneira de absorver antioxidantes.

Qual é a evidência científica?

Há muitos relatórios de pesquisa encorajadores publicados em revistas médicas, como o Journal of Environmental Public Health, o Journal of Inflammation Research e o Neonatology. O último relatou como bebês prematuros em unidades de terapia intensiva são cercados por equipamentos eletrônicos e como isso poderia estar prejudicando essas crianças.

Os resultados mostraram que simplesmente prendê-los a um fio (similar a um aterramento de um equipamento eletrônico) “pode melhorar a resiliência ao estresse e diminuir o risco de morbidade neonatal em bebês prematuros”. Os pesquisadores que afirmam essa teoria são professores do Hospital Infantil da Universidade Estadual da Pensilvânia.

Quais são as alegações de saúde?

Os defensores acreditam que o aterramento pode ajudar a prevenir e a tratar doenças crônicas, como artrite reumatoide, doenças autoimunes e inflamações intestinais. Eles acreditam que o aterramento também pode melhorar dor (relacionada à inflamação geral), falta de sono, excesso de estresse, lesões esportivas e cicatrização de feridas. Alegam que também pode ajudar a sua pele (ação antioxidante) e animais de estimação.

Como fazer o aterramento?

Simplesmente ande descalços ou use solas de couro (não sintéticas) para permitir que os elétrons fluam do solo para o corpo. Você pode andar na areia, no solo, na grama, no tijolo ou no concreto, que são superfícies que aparentemente conduzem elétrons. Superfícies não boas para aterramento incluem asfalto, madeira, carpete, vinil ou sintético.

As pessoas que defendem o aterramento dizem que você pode simplesmente sentar no chão ou na grama, de preferência tocando uma árvore (usando uma camisa de algodão e não de poliéster). Jardinagem também é uma boa maneira de contatar diretamente a terra, inclusive usando luvas de couro.

Linha de fundo

Sabemos que simplesmente estar fora da casa, de preferência em um ambiente natural, é bom para a saúde mental e física. O aterramento aproveita isso e faz com que você saia de casa – o que também pode levar a alguns dos benefícios que os defensores descrevem. Claramente mais pesquisas são necessárias. Mas ao menos a teoria não parece ter efeitos colaterais – apenas tenha cuidado onde você anda.

Porém, é preciso estar atento com a indústria que surgiu em torno do aterramento, promovendo produtos como camas condutivas e solas de sapato de cobre. Desconfie de tais produtos, pelo menos até conseguirmos mais pesquisas. Enquanto isso, ande na grama ou na areia por 30 minutos por dia (a dose recomendada). Você vai se sentir bem, e se tiver benefícios adicionais à saúde, melhor ainda.

Como posso aprender mais?

Confira o site do The Earthing Institute para obter detalhes, incluindo links para artigos de pesquisa.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

Mulheres com alto rendimento físico têm risco 90% menor de desenvolver demência

Corredores de maratona têm menor taxa de artrite

Esta postagem também está disponível em: Inglês