Mais Saúde

A diabetes tipo 2 pode ser revertida

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 4,7% dos adultos em todo o mundo eram diabéticos em 1980. Em 2014, esse número havia aumentado para 8,5%. Felizmente, estudos recentes, realizados principalmente da Europa, mostram que, pelo menos nos estágios iniciais, a diabetes pode ser revertida (ou colocada em “remissão”).

Grande parte desse aumento do número de pessoas diabéticas nos últimos anos ocorreu em países de baixa a média renda, onde as pessoas se exercitam menos e comendo mais alimentos processados e com alto teor de carboidratos. A doença ainda não tem cura e pessoas que a desenvolvem precisam de medicação para manter a glicose sob controle.

Porém, o que pesquisas recentes mostram é que algumas mudanças de hábito são capazes até de eliminar a medicação. O passo mais importante é a perda de peso significativa.

Diabetes tipo 1 X Diabetes tipo 2

Existem dois tipos de diabetes, e o tipo que estamos discutindo aqui é o Tipo 2 (chamado de DM2). Este tipo ocorre em 90% de todos os casos e, na maioria das vezes, começa na idade adulta devido a hábitos de vida ruins. O tipo 1 é o menos comum e é uma doença autoimune que normalmente começa na infância – e, com o nosso conhecimento atual, não é reversível.

O que causa o DM2

Embora a genética possa contribuir para o desenvolvimento de diabetes, as causas mais comuns são a má alimentação e a falta de atividade física. Muitos diabéticos estão acima do peso ou obesos. Quando as pessoas comem muito açúcar e exercitam-se pouco, o pâncreas, que produz insulina, fica sobrecarregado e, ao longo do tempo, basicamente se desgasta.

Outro fator é a “resistência à insulina”. A principal função da insulina é empurrar a glicose do sangue para nossas células, onde pode ser usada como combustível. Se as células se tornam resistentes, isso significa que a insulina produzida por elas não funciona muito bem e os níveis de açúcar no sangue aumentam.

Como o DM2 pode ser revertido

O estudo mais recente sobre o assunto foi publicado no jornal médico britânico Lancet. O estudo envolveu um grande número de diabéticos em todo o Reino Unido. Todos tinham excesso de peso ou eram obesos, mas nenhum estava usando insulina.

A metade dos participantes foi submetida a uma dieta rigorosa combinada com o aumento da atividade física. A outra metade (o “controle”) continuou o tratamento padrão, sem dieta de perda de peso ou mais exercício.

Taxas de remissão

Após um ano, apenas 4% do grupo de controle entraram em remissão, o que significa que eles não precisam mais de medicação para diabetes. No grupo que fez dieta e exercício, 46% dos participantes entraram em remissão. O que causou a remissão foi a perda de peso, e quanto mais peso perderam, maiores são as chances.

Mais perda de peso = maior taxa de remissão

Os participantes que perderam de 5 a 10 kg ao longo do ano tiveram uma taxa de remissão de 34%. Para os perderam de 10 a 15 kg, a taxa de remissão foi de 57%. Pacientes que perderam 15 kg ou mais conseguiram a incrível taxa de remissão de 86%!

Se você é diabético

Se você é diabético, ou pré-diabético, e com excesso de peso, há uma boa chance de você também poder reverter o quadro e entrar em remissão. No entanto, se você tem diabetes há mais de 10 anos, a chance de remissão é menor, porque seu pâncreas provavelmente já sofreu muito dano.

Se você quiser tentar esta abordagem de dieta e exercícios, discuta com seu médico, especialmente se quiser parar com a medicação. Ele pode monitorar seus açúcares (ou HbA1c) no sangue para medir o seu progresso.

É importante notar que a cirurgia bariátrica pode fazer com que muitos pacientes entrem em remissão, mas isso é mais radical. Uma dieta saudável de menos calorias combinada com mais atividade e exercício é a abordagem inicial preferida.

Para encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, vá até a Procuramed.com

Leia também na ProcuraMed:

Os perigos da gordura visceral

Oito maneiras de manter seu fígado saudável

A diabetes tipo 2 pode ser revertida was last modified: março 6th, 2018 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês