Mais Saúde

Verdades e mentiras sobre o Zika vírus

Já falamos aqui no Blog sobre o vírus Zika e nos comprometemos a manter as informações atualizadas. Muitas informações falsas têm circulado na internet desde o início da epidemia, outras preocupações são reais.

Confira, a seguir, o que é falso e o que é verdadeiro sobre o assunto

  1. Zika pode ser transmitido sexualmente?

Muito provavelmente.

Até agora, poucos são os casos suspeitos desse tipo de transmissão. Nos últimos meses, apenas nos EUA, 14 casos estão sob investigação do Center for Disease Control (CDC). Em todos eles, as mulheres com suspeita de Zika tiveram relações sexuais com homens que haviam retornado recentemente de países com presença da doença.

Nesses casos, as mulheres não foram para uma área com incidência de Zika e os sintomas apareceram nelas depois que já haviam sido diagnosticados nos homens. Elas também não foram picadas por mosquitos infectados, o que reforça a hipótese de transmissão pelo sêmen do parceiro.

Por essas razões, o CDC recomenda que pessoas que vivem ou que tenham viajado para áreas com Zika façam uso de preservativos nas relações sexuais – principalmente se a relação for com uma mulher grávida.

  1. A microcefalia e os defeitos de nascimento são causados ​​por um produto químico colocado em água potável?

Falso.

O pyriproxyfen tem como alvo as larvas do mosquito e não ataca as células nervosas. Ele age como um hormônio que sinaliza para as larvas do mosquito a hora de parar de crescer. Hormônios de insetos não afetam os seres humanos e muitos casos de microcefalia têm ocorrido em áreas do Brasil onde pyriproxyfen não é usado. Esse mesmo produto é aprovado para uso nos EUA desde 2001, para ser aplicado em tapetes para matar pulgas. A Organização Mundial de Saúde também aprova o produto para eliminação de larvas de mosquitos. Depois de tantos anos, nenhum caso de microcefalia associado ao produto foi relatado.

  1. A microcefalia é causada por vacinas vencidas? 

Falso.

Outro rumor sem nenhuma evidência. Não existem no Brasil vacinas aplicadas apenas no Nordeste, onde começou a epidemia e onde estão os maiores números de casos. A vacina da rubéola, que é citada em muitas mensagens mentirosas, também não é aplicada em mulheres grávidas. No Brasil, desde 2008, são feitas campanhas com jovens e adolescentes a partir dos 12 anos, com aplicação em massa em redes públicas de ensino. Também há uma recomendação pública do Ministério da Saúde para que não se vacinem mulheres grávidas durante as campanhas, sendo oferecida a vacina somente após o parto.

  1. Alguma outro agente, que não vírus Zika, tem causado microcefalia e paralisia Guillan-Barré?

Muito improvavelmente.

Ainda não se tem 100% de certeza que esses problemas são causados por Zika, mas todas as evidências têm apontado para isso. Dia após dia, aumentam os números de crianças microcéfalas com teste positivo para Zika no sangue e nos tecidos, assim como o número de casos de microcefalia em regiões com maior incidência de infecção pelo vírus.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Sete fatos importantes sobre o Zika vírus

6 mitos sobre HIV e AIDS

Verdades e mentiras sobre o Zika vírus was last modified: março 5th, 2016 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês