hipertensao-do-avental-branco2

Sete motivos que podem levar à falsa leitura de pressão alta

Você tem a impressão de que sua pressão arterial parece ficar mais alta quando é medida por um médico ou enfermeiro? Ou você fica nervoso ou chateado por estar em um ambiente médico e sente que sua pressão eleva? Pode não ser apenas impressão. É possível que você tenha “hipertensão do avental branco”.

hipertensao-do-avental-branco2

A chamada “hipertensão do avental branco” atinge uma em cada cinco pessoas que são identificadas com pressão alta nos atendimentos médicos. Ela é uma leitura falsa causada por fatores externos, como desconforto ao ser examinado. Quando não identificada, ela pode levar ao uso equivocado de medicamentos para pressão alta.

Alguns dos motivos que podem causá-la, apontados pela Associação Americana do Coração, são:

1. Você está com a bexiga cheia

Medir a pressão com a bexiga cheia altera, em média, de 10 a 15 mm Hg – mudança que pode alterar a leitura de pressão normal para alta.

2. Você não está com as costas apoiadas

Pode aumentar de 5 a 10 mm Hg, que pode levar a uma leitura de pressão normal para limítrofe.

3. Seus pés estão suspensos

A falta de suporte sob os pés pode levar a alteração de 5 a 10 mm Hg.

4. Você está com as pernas cruzadas

Embora pareça um detalhe, medir a pressão com as pernas cruzadas pode levar a uma leitura de 2 a 8 mm Hg a mais do que a leitura real.

5. O manguito está sobre a roupa

Medir a pressão usando roupas pode levar a leituras bastante erradas. Quando o manguito, que é aquela faixa inflável do aparelho de pressão, é colocado sobre a roupa, a diferença na leitura pode variar de 10 a 40 mm Hg – o que corresponde à diferença entre a leitura de pressão baixa e alta.

6. Seu braço não está apoiado

Medir a pressão com o braço suspenso altera, em média, 10 mm Hg na leitura.

7. Você está tendo uma conversa

O simples ato de conversar pode alterar de 10 a 15 mm Hg na leitura da pressão arterial.

Soluções simples

Para minimizar erros, é recomendado que se faça três leituras da pressão. A média entre as três será a leitura mais próxima da real. Embora seja uma recomendação, raramente esta prática é vista nos atendimentos médicos.

Cardiologistas também recomendam que a pressão só seja medida após o paciente estar sentado confortavelmente por três até cinco minutos, com pernas e braços relaxados e apoiados, e com o braço na altura do coração. Mas, mesmo assim, há pacientes que se sentem tão incomodados no ambiente médico que continuam apresentando leituras superiores a 140/90 (geralmente escrito como 14/9), simplesmente pelo desconforto sentido no atendimento.

Nesses casos, a melhor opção é fazer a leitura em casa. Entre os aparelhos domésticos, os de uso na parte superior do braço são os mais indicados – as unidades de dedo e pulso não são tão precisas. Ao realizar a compra, confira com o farmacêutico o tamanho de manguito ideal para a circunferência do seu braço. Monitores domésticos também são bons para pessoas hipertensas que queiram acompanhar o tratamento que fazem.

Também há a opção dos monitores de 24 horas, colocados em consultório médico. Esses aparelhos, mais sofisticados, possuem manguito automático, que infla periodicamente durante todo o dia e a noite, e que registra todas as leituras feitas.

Se após várias leituras for constatado que sua pressão é realmente alta, não hesite em iniciar o tratamento. A negligência na hipertensão aumenta muito as chances de problemas sérios, como ataque cardíaco, arteriosclerose, acidente vascular cerebral e doenças renais. Não tenha medo de procurar seu médico, pois há tratamentos que envolvem apenas mudanças de hábitos, como redução no consumo de álcool e sal e o controle da obesidade. Muitas pessoas precisam tomar medicamentos, que geralmente são de fácil manuseio e funcionam bem, mas sempre com o acompanhamento médico.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Medicamentos para pressão arterial que diminuem o risco de demência

Maioria dos hipertensos desconhece sua condição

Esta postagem também está disponível em: Inglês