Germes nas alturas

Germes nas alturas

O verão chegou, e é nesta época do ano que muitas pessoas aproveitam para visitar os familiares distantes ou para fazer turismo. Com o aumento do poder de consumo da população brasileira, aliado com a diminuição do preço das passagens dos aviões, muitas tem preferido viajar pelos ares ao invés de utlizar o transporte rodoviário, seja pelo menor tempo de viajem, mais conforto ou pela segurança deste meio.

Germes nas alturas

Porém uma queixa comum, que acomete muitos destes passageiros, é que depois de voarem, pegaram uma gripe ou um resfriado. Saiba agora porque isto ocorre, e que simples cuidados, como tomar água, ajudam a ter uma melhor viagem.

Desde a década de 70, estudos vem mostrando que quem viaja de avião, está sujeito a ser infectado com doenças infecciosas com mais frequência, sendo que um deles verificou um aumento associado, do risco de se ter uma gripe durante um voo, em 20%.

O ar que circula na cabine é normalmente o fator mais apontado como culpado. Mas estudos já mostraram que os chamados filtros de ar Hepa (sigla em inglês para high-efficiency particulate air), usados atualmente na maioria dos aviões, podem capturar até 99,97% das partículas que carregam vírus e bactérias. Dito isto, quando o ar em circulação é fechado, o que as vezes acontece durante longos períodos de espera em solo ou por curtos períodos, ou quando os passageiros estão a embarcando ou a desembarcando, as infecções podem se espalhar como fogo.

Muito do perigo vem das bocas, narizes e mãos dos passageiros que se sentam próximos uns dos outros. A zona crucial de exposição são geralmente, dois assentos a frente, ao lado ou atrás do nosso lugar, de acordo com um estudo publicado em Julho do jornal especializado “Emerging Infectious Diseases”, que foi publicado pelo Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

Uma série de fatores aumentam as hipóteses de trazer para casa uma tosse ou um nariz pingando. De fato, o ambiente a mais de 9.000 metros de altura facilita a difusão de doenças. O ar nos aviões é extremamente seco e os vírus tendem a desenvolver-se em condições de baixa humidade. Quando as membranas mucosas secam, tornam-se incapazes de armazenar infecções. As altas altitudes também podem cansar o corpo e o cansaço contribui para tornar as pessoas mais expostas a gripes.

Além disso, vírus e bactérias podem viver horas em algumas superfícies — algumas partículas virais conseguem viver até um dia em certos lugares, como já se identificou. As mesas, os bolsos por trás dos assentos , que ficam cheios de lenços de papel , guardanapos sujos e lixo, podem ser particularmente perigosos. Também é difícil saber se os germes estão escondidos nos travesseiros e nos cobertores de aviões.

Mesmo assim, existem algumas precauções básicas que os  passageiros podem tomar. Veja algumas dicas úteis para a prevenção de gripes e resfriados:

* Hidratação. Beber água e manter as passagens nasais húmidas com solução salina pode reduzir o risco de infecção;

* Limpar suas mãos frequentemente com desinfetante a base de álcool. Normalmente infectamo-nos ao mexer na boca, no nariz ou nos olhos com as mãos;

* Usar lenços desinfectantes para limpar as mesas antes de utilizá-las;

* Evitar mexer nos bolsos das costas das cadeiras;

* Abrir a saída de ar e virá-la para você, para que o ar vá directamente para o rosto. O ar filtrado do avião pode direcionar o germe para longe;

* Mudar de assento se estiver sentado perto de alguém que está tossindo, espirrando ou que parece ter febre. Isso pode não ser possível em voos cheios, mas vale a pena tentar;

* Chamar a atenção da tripulação se a circulação do ar estiver fechada durante um longo período;

* Evitar travesseiros e cobertores, que não estejam dentro dos seus invólucros selados.

Recomenda-se que antes de cada viagem seja feita uma consulta com seu médico, para que assim seja feita a verificação da necessidade de tomar-se vacina ou cuidados especiais, dependendo do destino escolhido. Tomando as devidas precauções, a chance de ficar doente será reduzida consideravelmente. Não podemos esquecer que, na maioria de nós, nosso sistema imunológico está preparado para nos proteger. Boa Viagem!

Saiba mais informações sobre o assunto:

– Manual do CREMESP, que traz dicas para passageiros, médicos e tripulantes. CLIQUE AQUI

Foto: google.com