Mais Saúde

Medicamentos para pressão arterial que diminuem o risco de demência

Sabemos que a pressão arterial elevada, quando não tratada, aumenta o risco de uma pessoa ter um ataque cardíaco, aneurisma, acidente vascular cerebral (AVC) e danos nos rins. E há evidências crescentes de que a hipertensão não tratada provoca, gradualmente, danos cerebrais e aumenta a chance de desenvolvimento do Mal de Alzheimer.

Segundo o Dr. Walter Koroshetz, vice-diretor do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (EUA): “Se você olhar para as coisas que podemos prevenir, que levam ao declínio cognitivo em idosos, a hipertensão está no topo da lista”.

A pressão arterial elevada é muito comum. De acordo com o Ministério da Saúde, 35% dos brasileiros, com idade acima de 40 anos, têm hipertensão.

Novas pesquisas mostram que um certo tipo de medicação para pressão arterial elevada – chamada BRAs (bloqueadores do receptor da angiotensina) – pode ajudar a proteger o cérebro melhor do que outros tipos de medicamentos para a pressão sanguínea. Alguns dos medicamentos BRAs mais comuns são: olmesartana (Benicar ou Olmetec), telmisartan (Micardis) e valsartana (Diovan).

A longo prazo, a pressão arterial alta danifica os vasos sanguíneos do coração e de todo o corpo. Quando os vasos cerebrais são submetidos ao aumento da pressão, danificam-se e estreitam-se. Ocorre, então, uma redução do fluxo de sanguíneo para a massa branca e cinzenta do cérebro, levando à perda da função cerebral. Isto pode progredir de “disfunção cognitiva leve” até a doença de Alzheimer.

Proteger o seu cérebro é mais uma boa razão para se certificar de que sua pressão arterial está sob controle! Lembre-se de que a pressão alta é considerada uma “doença silenciosa”, pois geralmente não apresenta sintomas. A única maneira de ser diagnosticada é verificá-la regularmente.

Em alguns casos, a pressão arterial elevada pode responder à modificação do estilo de vida, como perder peso, fazer exercícios e diminuir o sal na dieta. Mas muitas pessoas necessitam de medicação para controlá-la e, se você está tomando um medicamento agora ou recebeu uma prescrição, vale a pena perguntar ao seu médico sobre a possibilidade de usar um anti-hipertensivo da classe BRA.

O estudo mais recente, que demonstra a eficácia da medicação, foi publicado, em setembro de 2012, no Archives of Neurology. O Dr. Ihab Hajjar e seus associados realizaram a autópsia do cérebro de 890 idosos diagnosticados com hipertensão arterial e que tomavam vários tipos de anti-hipertensivos. Eles descobriram que aqueles que tomavam medicação da classe BRA apresentavam, significativamente, menos placas amiloides no cérebro, típicas do Mal de Alzheimer.

Pacientes tratados com BRAs tinham chances de 32% a 35% menores de sofrer demência do que os pacientes tratados com outros tipos de anti-hipertensivos. Os cientistas não sabem ao certo por que os BRAs são eficazes a este ponto, mas estão investigando as drogas relacionadas a eles, que poderiam ser desenvolvidas para tratar o Alzheimer.

Portanto, verifique regularmente sua pressão arterial. Se for alta, é importante mantê-la sob controle e também ajudar o seu cérebro a funcionar bem. Se a medicação foi prescrita, pergunte ao seu médico se uma droga de classe BRA seria indicada para o seu caso.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Veja também na ProcuraMed:

*Cafeína ajuda a reduzir risco de Alzheimer

*7 Dicas para Evitar a Doença de Alzheimer

Medicamentos para pressão arterial que diminuem o risco de demência was last modified: junho 17th, 2016 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês