Mais Saúde

Cuidado com as mordidas do seu gato

Entre a mordida de um gato e a de um cachorro, com qual você se preocuparia mais? Embora pareçam inofensivas, as mordidas de gato, especialmente nas mãos, merecem atenção extra. Diferente das mordidas de cão, elas podem deixar feridas profundas, nem sempre percebidas. E sem a devida atenção, elas podem se tornar feridas perigosas, com necessidade de hospitalização e até cirurgias.

Estudo recente publicado em Journal of Hand Surgery revelou que uma em cada três pessoas que recorrem às salas de emergência com ferimentos nas mãos precisa de hospitalização para cuidar de infecções. Os pesquisadores analisaram registros de 193 pessoas que chegaram com mordidas de gato ao prestigiado centro médico Mayo Clinic entre os anos de 2009 e 2011.

Entre os que necessitaram de hospitalização, a média de permanência foi de três dias. Um dos casos registrados precisou permanecer hospitalizado por dois meses. Fumantes e pessoas com sistema imunológico enfraquecido também se mostraram mais propensos à necessidade de permanência no hospital.

Embora as mordidas de cães pareçam piores, as feridas resultantes costumam ser mais abertas e mais fáceis de limpar. Os gatos, quando mordem, levam bactérias a camadas mais profudas da pele. Uma mordida na coxa, por exemplo, pode ser bastante dolorosa, mas normalmente não é tão grave quanto uma mordida nas mãos. Na coxa, a presa penetra apenas na gordura, e não em estruturas mais sensíveis. As mãos são particularmente mais vulneráveis, desde as bainhas que cobrem os tendões e as articulações, mais superficiais e facilmente penetráveis.

Mordidas no pulso e nas juntas das mãos também são mais difíceis de serem curadas. Isso acontece porque o corpo combate infecções potenciais enviando anticorpos para o local da ferida. Mas as áreas próximas a articulações e tendões têm menos suprimento de sangue, o que torna mais difícil a defesa natural do organismo.

A maioria das pessoas internadas que participou da pesquisa precisou de alguma cirurgia para abrir e limpar as feridas. Muitas precisaram remover os tecidos infectados para sarar o local ferido. Outras acabaram necessitanto de cirurgias reconstrutivas.

A gravidade dos ferimentos acontece também porque até 90% dos gatos saudáveis carregam uma bactéria bastante agressiva na boca. Chamada de Pasteurella multocida, ela costuma responder a tratamentos com amoxicilina em ferimentos mais superficiais, o que não acontece sempre em mordidas que atingem tendões, ligamentos, nervos e ossos. Nesses casos, o antibiótico frequentemente necessidade  de reforço cirúrgico.

Por isso, não corra o risco. Brinque com seu bichano, mas, em caso de mordida, leve o tratamento a sério. Na dúvida, é sempre melhor buscar tratamento médico.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Veja também na ProcuraMed:

Estudos indicam que pets fazem bem ao coração

Crianças com cachorros em casa adoecem menos

 

 

 

Cuidado com as mordidas do seu gato was last modified: junho 15th, 2016 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês