Mais Saúde

Boas notícias no tratamento do Alzheimer

Na semana passada, na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer em Vancouver no Canadá,  o Dr. Norman Relkin do Weill Cornell Medical College (New York) apresentou os resultados da primeira pesquisa que mostrou que um medicamento pode interromper a progressão da doença por um longo período de tempo (até 6 anos).

Este feito é notável porque de 1 a cada 3 pessoas acima de 65 anos pode desenvolver demência (com a doença de Alzheimer sendo a causa mais comum), e ainda não temos bons tratamentos para este mal. Este estudo revelado pelo neurologista de Nova York criou um grande aumento no otimismo de que um tratamento seja possível, e pode estar comercialmente disponível dentro de até 10 anos.

O tratamento é chamado IVIG – intravenous immunoglobulin ou imunoglobulina intravenosa, que basicamente é uma concentração de anticorpos recolhidos a partir de múltiplos doadores de sangue, e tem sido utilizado há 30 anos para tratar pessoas com deficiências de anticorpos. Foi sugerido que estes anticorpos também podem ajudar a combater a “placa amilóide”, que se forma nos cérebros de pacientes com Alzheimer.

O Dr. Relkin e sua equipe do Programa de Transtornos de Memória da Universidade de Cornell realizou o estudo inicial em 16 pacientes, onde foi dado um tipo de placebo para a metade e a outra metade foi dada o IVIG  a cada duas semanas. Após 18 meses, os resultados mostraram que o grupo que recebeu IVIG não havia sofrido nenhuma progressão da demência, enquanto todos os que receberam placebo pioraram. Os pacientes tratados com IVIG não melhoraram o seu declínio mental pré-existente, mas o fato é que a progressão da doença parou pela primeira vez desde que se pesquisa o Alzheimer.

O grupo do Dr. Relkin agora está realizando estudos em um grupo maior de sujeitos (390) e os resultados serão revelados no início de 2013. Se esses resultados forem confirmatórios, o IVIG provavelmente será aprovado como tratamento. Entretanto o IVIG não é fácil de se conseguir,  pois é caro e escasso. Para se obter o IVIG é preciso de múltiplos dadores de sangue, e não há maneira rápida de produzi-lo. A substância quando obtida, custa cerca de US $ 5.000 por mês. Mas felizmente os efeitos colaterais graves são raros.

Vamos informá-lo aqui no Mais Saúde, quando o novo estudo do IVIG for liberado. Se mais estudos da droga confirmarem a sua eficiência, espera-se que as empresas farmacêuticas invistam pesado na produção em massa da substância.

Para saber como anda a saúde do seu sistema nervoso visite o seu neurologista. Caso você necessite encontrar um você pode fazê-lo em nosso site: www.procuramed.com.

 Leia também na ProcuraMed:
*Cafeína ajuda a reduzir risco de Alzheimer
Boas notícias no tratamento do Alzheimer was last modified: junho 17th, 2016 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês