escrever para saude

O poder de cura da escrita

escrever para saude

Você já parou pra pensar que estamos escrevendo mais nos últimos anos? Depois de muito tempo escrevendo cartas à mão, começamos a fazer comentários no Facebook e a enviar textos pelo WhatsApp.

Para muitos de nós, escrever não parece ser algo realmente útil. O post de hoje é sobre como você pode dedicar parte do gasto com mensagens de texto frívolo em um tempo para escrever para si mesmo – e como isso pode trazer benefícios significativos para sua saúde mental e física.

Isso pode soar como um conselho de auto-ajuda sem sentido, mas há boas pesquisas que dizem que ele realmente funciona. Estes estudos, publicados em revistas científicas, mostraram que um pouco de escrita pessoal pode ser uma ferramenta de cura poderosa. Não custa nada e não há bons efeitos colaterais.

O primeiro exemplo desta técnica é com casais casados. Os autores do estudo, da Northwestern e Stanford Universidades (EUA), observaram que “entre os fatores sociais ligados à saúde mental e física, a qualidade conjugal está entre os mais importantes. Infelizmente, a qualidade conjugal declina normativamente ao longo do tempo”. Por uma intervenção simples, eles foram capazes de parar essa queda na qualidade do relacionamento.

A pesquisa, publicada na revista Psychological Science, envolveu 120 casais. O estudo durou dois anos e, durante esse tempo, cada participante foi questionado regularmente sobre o quão feliz estava com o casamento. Durante o primeiro ano do estudo, a maioria dos indivíduos observou que, como o passar do tempo, o nível de satisfação em o casamento diminuiu lentamente.

No final do primeiro ano, os casais foram divididos aleatoriamente em dois grupos. Os 60 casais no chamado grupo de intervenção receberam a tarefa de escrever três vezes durante o segundo ano. Cada pessoa escreveu um pequeno ensaio sobre como eles resolveram certos conflitos no seu relacionamento. O tempo total gasto nos três ensaios foi de apenas 21 minutos.

Os ensaios não foram classificados ou julgados por nenhuma outra pessoa. A idéia era apenas fazer com que os participantes escrevessem sobre como eles estavam lidando com os inevitáveis problemas que surgem em qualquer casamento. Eles foram convidados a escrever a partir da perspectiva de uma pessoa neutra, um terceiro, sobre suas técnicas de resolução de conflitos. Só isso. Os outros 60 casais não escreveram ensaio algum.

Os resultados, no final de dois anos, foram que apenas os casais do grupo de intervenção (os que escreveram ensaios curtos sobre seu relacionamento) não sofreram nova redução nos níveis de satisfação com o casamento. E este foi o julgamento dos próprios participantes individualmente, não dos pesquisadores que fazem julgamentos sobre os casais.

Assim, o simples processo de escrever algo sério sobre o relacionamento foi o suficiente para torná-los mais felizes em seus casamentos. Em nosso próximo e último post sobre este assunto, vamos dar mais dois exemplos sobre o poder de cura da escrita, incluindo um estudo patrocinado pelo Instituto de Performance Humana Johnson e Johnson.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

12 dicas de saúde para 2015

O que fazer quando a fome é emocional?

Esta postagem também está disponível em: Inglês