Mais Saúde

Funções do cérebro que melhoram com a idade

Todos nós já nos deparamos com o conceito de que, à medida que envelhecemos, as atividades mais complexas de nosso cérebro começam a declinar. Embora muitas funções realmente atinjam o ápice na juventude e declinem com o passar do tempo, há funções que seguem o caminho contrário e encontram na vida adulta e idosa o auge do desempenho.

A descoberta foi apontada em publicação recente da revista Psychological Science, em artigo submetido por pesquisadores de Harvard e do MIT. O estudo foi feito a partir de dados obtidos por meio da internet – os chamados big data, que são números significativos de informações sobre determinado tópico.

Antes da possibilidade de realizar testes online, os pesquisadores acabavam tendo uma amostragem mais limitada de voluntários para testes em laboratório – a maioria estudantes universitários e aposentados. Hoje, com a popularização da internet, o número de participantes das pesquisas aumenta significativamente. Para esta pesquisa de Harvard e do MIT, os pesquisadores conseguiram recolher resultados de testes realizados online por mais de 3 milhões de pessoas em sites como gameswithwords.org e testmybrain.org.

O estudo mediu vários tipos de inteligência: a memória de curto prazo, a velocidade de processamento de informações pelo cérebro, a capacidade de avaliar o estado emocional de outras pessoas (apenas observando imagens dos olhos das pessoas) e a inteligência cristalizada – queé a capacidade que o cérebro tem de trazer à tona conhecimentos e fatos acumulados ao longo da vida.

Os resultados foram:

Velocidade de processamento: pico de desempenho por volta dos 18 ou 19 anos de idade, seguido de notável declínio.

Memória de curto prazo: aumenta até cerca de 25 anos de idade, permanece estável até os 35 anos, mas começa a cair em seguida.

Capacidade de avaliar estados emocionaisde outras pessoas: picos nos 40 e 50 anos de idade.

Inteligência cristalizada: picos no final dos 60 anos ou início dos 70.

A pesquisa também apontou que a idade de pico da inteligência cristalizada mudou rapidamente nas últimas décadas. Dados mais antigos de testes de QI em adultos, feitos em meados do século passado, apontavam o pico para a inteligência cristalizada por volta dos últimos anos da quarta década de vida (entre os 47 e 49 anos). Hoje, esse ápice é alcançado por pessoas de até 70 anos de idade.

Os cientistas acreditam que o auge da inteligência cristalizada em pessoas cada vez mais velhas se deve à melhor educação, a empregos que exigem mais leitura e a um maior nível de estímulo intelectual acumulado ao longo da vida. Isso reforça a ideia de que devemos manter o hábito da leitura e de exercícios que estimulem o cérebro à medida que envelhecemos.

“Algumas coisas ficam melhores e outras ficam piores à medida que envelhecemos. É um sistema complexo e dinâmico. Podemos não ser tão rápidos como estudantes universitários conforme envelhecemos, mas somos um pouco mais sábios”, afirma a co-autora do estudo Laura Germine.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Saiba como o sono pode ajudar a limpar seu cérebro

Por que o cérebro de alguns idosos melhoram

Seis maneiras de manter o cérebro estimulado

Funções do cérebro que melhoram com a idade was last modified: março 15th, 2016 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês