Mais Saúde

Falar mais de um idioma torna o cérebro mais forte

Você já viu aqui no blog que pessoas que falam mais de um idioma têm menos risco de demência e Alzheimer, e que, em jovens, essa habilidade melhora a arquitetura de uma parte importante do cérebro, o hipocampo. Agora, cientistas mostram que falar uma segunda língua pode ter mais uma vantagem: ajudar na recuperação em casos de acidente vascular cerebral (AVC).

O estudo, publicado na revista médica Stroke, foi realizado por diferentes centros médicos na Índia e no Reino Unido, incluindo Cambridge e Edimburgo. Participaram mais de 600 voluntários, homens e mulheres indianas, que haviam sofrido AVC. Todos passaram por exames de ressonância ou tomografia e tiveram acompanhamento por dois anos após o incidente.

O objetivo do acompanhamento foi comparar a recuperação em pessoas que falavam apenas uma língua e as que falavam mais idiomas. Por este motivo, os pacientes escolhidos para o estudo tinham origem na região Sul da Índia, onde é comum às pessoas falarem duas línguas – e ser bilíngue não está relacionado a condições como renda ou status social.

Dos 608 participantes, 353 eram bilíngue e 255 falavam apenas uma língua. Após dois anos, os resultados mostraram que 40,5% dos pacientes bilíngues haviam recuperado o funcionamento normal do cérebro. Entre os monolíngues, os mesmos avanços foram conseguidos por apenas 19,6% dos voluntários.

Ao final do estudo, os pacientes bilíngues também apresentaram melhor capacidade de prestar atenção e de organizar as informações. Além disso, foram menos propensos a mostrar sinais de demência. A única área em que os monolíngues apresentaram o mesmo desempenho que os bilíngues foi no tempo necessário para que voltassem a falar.

Uma das explicações do melhor avanço dos bilíngues é que eles apresentam mais “reserva cognitiva”. Ou seja, falando duas línguas diferentes, as pessoas forçam o cérebro a fazer mais ligações entre as células nervosas, o que fortalece seu desempenho.

De acordo com Thomas Bak, um dos autores do estudo e membro da Universidade de Edimburgo, “o bilinguismo faz com que as pessoas mudem de um idioma para outro, por isso, enquanto eles inibem uma língua, eles têm que ativar outra para se comunicar. Essa comutação oferece treinamento constante do cérebro, que poderá ser um fator para ajudar na recuperação de pacientes que sofreram derrame”.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Aprenda a identificar os sintomas do AVC

Trabalhar demais pode favorecer AVC e doenças cardíacas, diz estudo

Falar mais de um idioma torna o cérebro mais forte was last modified: março 9th, 2016 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês