100 anos de vida

E se você puder chegar aos 100 anos?

Você já imaginou como sua vida seria se você chegasse aos 100 anos de idade? Os centenários são uma parcela crescente da população. Apenas no Reino Unido, o número de pessoas com mais de 100 anos duplica a cada década. Mas qual seria o segredo pra tanta longevidade? E qual a qualidade de vida de uma pessoa que consegue viver por tanto tempo?

100 anos de vida

Uma pesquisa recente realizada na Inglaterra analisou os registros médicos de mais de 35 mil pessoas que morreram no Reino Unido entre 2001 e 2010. Os resultados, publicados no último dia 3 de junho pela revista PLoS Medicine, apontaram que muitas das pessoas com mais de 100 anos não tiveram morte lenta.

Também foi percebido que, entre os centenários, não prevaleceram doenças crônicas, como câncer, doenças cardíacas, derrame e demência. E, além dos cuidados conhecidos, como uma boa dieta e hábitos saudáveis, decisões e comportamentos positivos tiveram grande influência na vida longa que tiveram.

Doenças crônicas

Muitas das pessoas que completaram um século de vida na época da pesquisa não tiveram uma vida fácil. Foram pessoas que passaram por duas guerras mundiais e sobreviveram à grande epidemia mundial de gripe, em 1918. Curiosamente, foram indivíduos que morreram devido a uma queda repentina na saúde, enquanto que o grupo de até 99 anos sofreu mais com doenças crônicas.

No grupo que morreu entre os 80 e os 85 anos de idade, por exemplo, 19% morreram de doenças cardíacas e 24% morreram de câncer. Entre os centenários, esses percentuais foram de 9% e 4%, respectivamente. A causa mais comum de morte entre os centenários foi fragilidade ou “idade avançada” (28%), que significa que a pessoa provavelmente não morreu por causa de uma doença crônica. A segunda causa mais comum foi pneumonia, com 18% dos registros de óbito.

O estudo também apontou que as pessoas com mais de 100 anos passavam menos tempo nos hospitais. Em comparação ao grupo com idade entre 80 e 99 anos, que tinham registros mais longos de internação ou de permanência na unidade de terapia intensiva, os centenários eram mais propensos a morrer repentinamente.

Viver feliz

Embora boa parte da longevidade esteja em nossos genes (cerca de 30%), o maior determinante de uma vida longa é o estilo de vida (responsável pelos outros 70%). E por estilo de vida é possível compreender tanto alimentação e exercícios quanto as escolhas feitas ao longo da jornada.

Os centenários estudados não costumavam ser fumantes nem obesos. Também eram fisicamente ativos, mantinham uma dieta saudável e sono adequado. Mas ainda teve um elemento surpresa: a felicidade.

Manter a calma e ser extrovertido foram fatores que pareceram ajudar na longevidade, assim como ter um propósito real na vida. Manter-se ocupado com algo que você goste também é fundamental. Algumas pessoas continuam trabalhando mesmo depois dos 100 anos, e amam o que fazem. Outra característica dos idosos felizes é que muitos deles eram generosos, costumavam ajudar outras pessoas e colocavam as próprias necessidades depois da necessidade do outro.

Atitudes positivas e otimistas são boas em qualquer idade da vida. Elas ajudam a evitar o estresse excessivo, a ansiedade e a depressão. Rir pode fazer maravilhas no sistema imunológico e tem grande influência na diminuição das inflamações do corpo. Para quem quer chegar aos 100 anos, são ingredientes indispensáveis.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Leia também no ProcuraMed:

Lições de longevidade da ilha de Ikaria

Esta postagem também está disponível em: Inglês

Category : Comportamento