Mais Saúde

As informações que poderiam ter salvo Amy

Amy Winehouse foi encontrada morta em seu apartamento de Londres no dia 23 de julho, e enquanto os resultados do exame toxicológico não sair até Outubro, pode se dizer que o abuso de drogas claramente contribuiu para sua morte. Ela tinha um histórico de uso abusivo de álcool, e supostamente era usuária de heroína, ketamina, cocaína, ecstasy e até crack.

Amy Winehouse pega num momento ruim

Mas quais os fatores que fazem uma pessoa seguir o caminho de vício e da auto-destruição como a de Amy? Enquanto outras pessoas são capazes de usar drogas uma vez ou algumas vezes e desistir, ou utilizá-las de forma intermitente. Estudos mostram que a maioria das pessoas que usam drogas não se tornam viciadas.

O Instituto Nacional sobre Abuso de Drogas (EUA) estima que com a heroína, que é uma das drogas mais viciantes, cerca de 23% dos usuários se tornam dependentes.

Uma pesquisa mostrou que uma combinação de genes, ambiente e condição mental subjacente pode determinar o risco. É impossível saber quem pode experimentar drogas e sair, e aqueles que se tornarão dependentes, mas aqui estão alguns fatores que contribuem para aumentar o risco da dependência. Em geral, quanto mais fatores de risco alguém tem, maior a probabilidade de dependência. Abaixo listamos alguns desses fatores e veremos que no caso de Amy, ela tinha a maioria desses indicadores presentes em sua vida, mas não todos.

1. História genética. 

O quadro genético pode indicar entre 40% até 60% de risco para se tornar viciado. Se você tiver um parente próximo com história de vício, seja álcool ou outras drogas, o risco é maior. Curiosamente, no caso de Amy, aparentemente, nenhum membro da família tinha esse problema. Assim, mesmo com uma história familiar totalmente limpa não significa que você está protegido.

2. Problemas de saúde mental pré-existentes.

Pessoas com depressão crônica, ansiedade, transtornos alimentares, transtornos grandes de humor, e pessoas com infâncias fisicamente ou emocionalmente traumáticas apresentam um risco maior. O aumento do risco é três vezes maior nesse caso, e no caso de Amy foi positivo aqui. Ela era uma provável maníaco-depressiva, e tinha um histórico de transtorno alimentar (bulimia).

3. Idade do começo do uso de drogas / uso do álcool. 

Quanto mais cedo se começa (quando o cérebro ainda está em formação), maior o risco. Por exemplo, as crianças que começam a beber álcool antes dos 15 anos têm pelo menos um risco quatro vezes maior de abuso mais tarde do que aqueles que esperam até depois da adolescência. Amy aparentemente não tinham um histórico de uso precoce.

4. Fácil acesso às drogas e pressão de amigos. 

Para aqueles que tem uma profissão como a de Amy, onde as drogas são facilmente obtidas, estão o maior fator de risco. Além disso, Amy foi fortemente influenciada a usar drogas pesadas pelo seu ex-marido, Blake Fielder. Alguns afirmam que ele foi o principal incentivo em seu caminho para a destruição.

5. Vida estressante. 

Pessoas que vivem sob um alto índice de estresse crônico, tem um relacionamento ruim, excesso de trabalho ou um tipo trabalho infeliz, são mais propensas a usar drogas regularmente para escapar desse sentimento de incompletude. O relacionamento violento de Amy com Blake sempre foi mais do que estressante para ela.

6. Tipo de drogas usadas. 

Drogas que agem imediatamente no sistema nervoso, como a cocaína, crack e heroína, e em particular se fumado ou injetado, são mais propensos a levar ao vício. No caso de Amy esse fator foi positivo e muito relevante.

Então, Amy tinha quatro dos seis fatores de risco. Mesmo não tendo uma predisposição genética aparente, ela ainda foi colocada em risco por causa de um transtorno de humor pré-existente e pressão do seu namorado/marido, juntamente com o fácil acesso as drogas em seu ambiente de trabalho. Não existe uma fórmula para prever a dependência de narcóticos, algumas pessoas podem usar uma única vez e tornar-se dependentes, outras não. Mas você pode ter uma idéia razoável de quem tem ou não uma maior predisposição ao olhar para estes vários fatores.

 

As informações que poderiam ter salvo Amy was last modified: junho 17th, 2016 by