exercícios não dar resultado

Quando os exercícios parecem não dar resultado

Você costuma iniciar um novo programa de exercícios, mas, depois de algumas semanas, não percebe resultado? Você não está sozinho. E é pensando em pessoas como você que escrevemos o post de hoje.

Há cerca de 15 anos, estudos sobre exercícios mostravam que nem todas as pessoas melhoram a aptidão física depois de adotar programas de exercícios. Esses estudos mostraram que, ao contrário da maioria, algumas pessoas simplesmente não melhoram o desempenho – e há, inclusive, as que pioram suas aptidões.

Por que algumas pessoas não respondem aos exercícios

As pessoas que não obtiveram bons resultados de aptidão (chamados “não-respondedores”) não tinham um perfil específico: podiam ser velhas ou jovens, homens ou mulheres, e de qualquer raça. O que parecia fazer a diferença era a genética. Os não respondedores pareciam geneticamente programados para responder bem a certos tipos de exercícios e a não responder bem a outros – como se estivessem organizados em famílias, com características comuns.

Ajuda para não-respondedores

Anos depois, em dezembro de 2016, pesquisadores canadenses publicaram um estudo que pode ajudar os não-respondedores. A ideia básica do estudo era ver se as pessoas que não respondem a um tipo de programa de exercícios poderiam se adaptar melhor a outro programa. Os resultados foram encorajadores.

Os pesquisadores recrutaram 21 pessoas saudáveis, homens e mulheres. Todos foram estudados antes e depois de completar dois tipos diferentes de programas de exercícios.

O primeiro era um programa aeróbico tradicional em uma bicicleta estacionária por 30 minutos, 4 vezes por semana, ao longo de três semanas. O outro programa foi um High Intensity Interval Training (HIIT), que consistia em 8 intervalos de 20 segundos de pedalada muito difícil seguidos de 10 segundos de repouso – sessões breves, mas extenuantes.

Todos os voluntários tiveram sua aptidão medida (usando teste de esteira VO2 max) antes e depois de cada programa de treinamento de 3 semanas. E todos os voluntários concluíram ambos os tipos de programas de exercícios (o treinamento tradicional e o HIIT), com um período de intervalo de três meses. Desta forma, o estudo pode ver se algumas pessoas que não respondem a um programa podem responder bem ao outro.

1 em cada 3 são não-respondedores

Os resultados mostraram grandes diferenças na forma como os voluntários responderam. Para cada programa, cerca de 1/3 dos indivíduos eram não-respondedores. Ou seja, cerca de 1/3 dos sujeitos não melhoraram sua aptidão após um dos treinamentos (tradicional ou HIIT).

O resultado encorajador foi que todos tiveram uma boa resposta para pelo menos um dos programas. Os que não responderam ao programa tradicional se saíram bem com o programa HIIT, e vice-versa.

Se você é um não-respondedor

O estudo sugere que, se depois de algumas semanas você parece não se tornar mais fisicamente apto para um tipo de exercício, tente outro. Por exemplo, se você tentou um programa aeróbico tradicional de caminhada rápida e não se sentiu melhor, você pode tentar um programa HIIT (veja nossas dicas).

Se você é sedentário ou tem alguma dúvida sobre sua condição física, é importante conversar com seu médico antes de iniciar qualquer programa de exercícios, especialmente treinamento HIIT.

Em nosso próximo post, vamos mostrar uma maneira simples de verificar a sua aptidão, para ajudá-lo a saber se você está respondendo bem a um determinado tipo de exercício.

Se você quer encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

As pulseiras de monitoramento ajudam a melhorar a saúde?

Como fica seu cérebro após a prática de exercícios

Esta postagem também está disponível em: Inglês