caminhar-praia

Proteína Estimula as Células que nos Mantém Magros e Acordados

Estudo da Universidade de Cambridge, mostrou que é a proteína, e não o açúcar , o componente que ativa as células responsáveis por nos manter despertos e queimando calorias. A pesquisa, publicada na edição de novembro da revista científica Neuron, tem implicações para a compreensão da obesidade e distúrbios do sono.

Os cientistas comparam a ação de diferentes nutrientes nas células de orexina. A redução da atividade nestas células resulta em narcolepsia e tem sido associada ao ganho de peso.

“Os padrões de sono, saúde e peso corporal estão interligados. O trabalho noturno,  assim como a má alimentação, pode levar à obesidade”,  considerou o Dr. Denis Burdakov, autor do estudo e pesquisador-chefe do Departamento de Farmacologia e Instituto de Ciência Metabólica.

A vigília e o gasto de energia dependem das “células de orexina”, que secretam um neuropeptídeo chamado orexina, também chamado de hipocretina, no cérebro. Os impulsos elétricos emitidos pelas células de orexina estimulam a vigília e avisam ao corpo para queimar calorias.  A pergunta que o grupo queria responder era se os nutrientes da dieta alteram esses impulsos. Para isto, os cientistas comparam a ação de diferentes nutrientes nestas células.

Eles descobriram que os aminoácidos –  compostos encontrados nas proteínas, como clara de ovo – estimulam os neurônios  da orexina muito mais do que outros nutrientes. Para explorar isto, os cientistas destacaram geneticamente as células de orexina (que são escassas e difíceis de encontrar),  do cérebro de ratos, através de técnica de fluorescência. Eles, então, introduziram diferentes nutrientes, tais como misturas de aminoácidos similares aos da clara de ovo, enquanto rastreavam os impulsos das células de orexina.

Os trabalhos anteriores do grupo,  já haviam encontrado que a glicose bloqueia as células de orexina (que foi citado como uma razão para a sonolência pós-refeição), sendo que neste novo estudo os pesquisadores aproveitaram para também analisar as interações entre açúcar e proteína. Eles descobriram que os aminoácidos impedem o bloqueio da glicose para com as células de orexina (em outras palavras, a proteína suprime os efeitos do açúcar nas células).

Essas descobertas podem trazer nova luz sobre observações anteriormente inexplicáveis, que mostram que a proteína pode fazer com que as pessoas se sintam menos calmas e mais alertas do que refeições a base de carbiodratos. “O que é excitante é ter uma forma racional para” sintonizar “as células do cérebro a serem mais ou menos ativas, através daquilo que decidimos comer,” disse Dr Burdakov. “Nem todas as células do cérebro são simplesmente ativadas por todos os nutrientes,  a composição da dieta é fundamental.

Para combater a obesidade e insônia na sociedade de hoje, precisamos de mais informações sobre como a dieta afeta as células do sono e do apetite. Por enquanto, a pesquisa sugere que se você tem uma escolha entre uma geléia com torradas, ou uma clara de ovo, vá para o último! Mesmo que os dois podem conter o mesmo número de calorias, tendo um pouco de proteína dirá o corpo a queimar mais calorias fora daquelas consumidas.