Mais Saúde

Como escapar da epidemia de refluxo ácido

Desde os anos 1970, a incidência de câncer do esôfago aumentou em 500%. Uma das causas é a irritação grave causada por quadros contínuos de refluxo ácido do estômago – problema que, entre 1996 e 2009, aumentou em quase 50% entre as pessoas que o relatam ao menos uma vez por semana.

O refluxo ácido do estômago ocorre quando alimentos e ácidos do estômago sobem pelo esôfago ao invés de irem para baixo, seguindo o sistema digestivo. Embora a maioria das pessoas que têm refluxo ácido crônico nunca desenvolva câncer no esôfago, alguns sintomas se mostram evidentes em ambos os casos.

Além da azia, que pode passar despercebida por alguns pacientes, são comuns:

– Tosse crônica

– Rouquidão

– Pigarro crônico

– Dificuldade para engolir

– Gotejamento pós-nasal (incluindo sinusite crônica)

– Asma

Quando você está deitado, esses sintomas se tornam mais evidentes. Sentado ou em pé, a gravidade ajuda a manter os alimentos e os ácidos no estômago.

Armadilhas

Especialistas acreditam que maus hábitos sejam a causa do aumento da incidência de refluxo entre a população. Entre esses hábitos estão a obesidade, a alimentação desiquilibrada e refeições tardias.

Muitos pacientes comem alimentos gordurosos, açucarados ou processados em excesso e em refeições feitas cada vez mais tarde quando comparadas às décadas passadas. As jornadas de trabalho cada vez mais longas, os hábitos noturnos, exercícios à noite e a presença do computador ou da televisão por longos períodos têm levado as pessoas a colocar o jantar como a última atividade do dia. E isso se torna muito prejudicial quando se luta contra o refluxo.

Então, se você percebeu que está tendo refluxo, aqui vão algumas dicas:

– Vá para a cama ou deite-se de duas a três horas depois de terminada a refeição, nunca antes.

– Reduza as porções, especialmente à noite.

– Evite lanches antes de dormir.

– Evite alimentos que estimulem o refluxo. Eles podem variar de pessoa para pessoa, mas, em geral, incluem álcool, chocolate, balas, tomate, refrigerante e alimentos gordurosos.

– Mantenha distância de tabagismo, obesidade e de roupas apertadas em torno da cintura.

Se você foi diagnosticado com refluxo, lembre-se que os medicamentos nunca são a primeira opção. Estudo publicado em junho de 2015 apontou que pessoas que tomam regularmente medicamentos mais fortes (os chamados inibidores de bomba de prótons, como o omeprazol, por exemplo) têm risco maior de ataque cardíaco, entre outros efeitos colaterais. E, ao longo do tempo, o organismo torna-se tolerante, fazendo com que os medicamentos percam o efeito.

Se você tem refluxo, sua melhor opção é mudar de hábitos. Mude sua alimentação, seus horários e seu estilo de vida. Lembre-se, também, de manter o acompanhamento médico, em especial de um gastroenterologista. Você pode procurar por um médico com essa especialidade no procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Beber muito e de uma vez só pode afetar o sistema imunológico

Como transformar a caipirinha em uma bebida saudável

 

Como escapar da epidemia de refluxo ácido was last modified: março 14th, 2016 by

Esta postagem também está disponível em: Inglês