canela para saúde

A relação entre a canela e a Doença de Parkinson

Nem todo mundo gosta, mas a canela já foi uma especiaria mais valiosa que o ouro na Roma Antiga. Atualmente, seu valor ultrapassou as barreiras do paladar e tem ganhado importância inclusive na área médica. De anti-oxidante a regulador de níveis elevados de açúcar no sangue, o uso da canela tem sido alvo de estudos da medicina natural. Um dos últimos publicados tenta comprovar os benefícios da especiaria para a conter a evolução da doença de Parkinson.

canela para saúde

A pesquisa foi publicada no último dia 20 de junho em Journal of NeuroImmune Pharmacology e traz uma análise promissora. Realizada pelo Centro Médico da Rush University, em Chicago, a pesquisa utilizou ratos para medir os resultados do uso de canela sobre as células. Além da redução da degeneração de células, o estudo identificou a estabilização dos níveis de dopamina, um neurotransmissor que se encontra mais reduzido em pacientes com Parkinson.

Atualmente, a doença de Parkinson é a segunda doença cerebral degenerativa mais comum, atrás apenas do Alzheimer. Seus sintomas incluem tremores, rigidez do rosto e do corpo e dificuldade de locomoção. “[A canela] poderia ser uma das abordagens mais seguras para deter a progressão da doença em pacientes de Parkinson”, ressaltou o pesquisador-chefe Dr. K. Pahan.

A partir dos resultados obtidos no estudo com ratos, os pesquisadores devem, agora, analisar se a mesma reação acontece também em seres humanos. Além da Doença de Parkinson, outros problemas de saúde estão sendo analisados quanto aos benefícios do uso alternativo da canela.

Há indícios de que a especiaria auxilia na redução do açúcar no sangue e no equilíbrio dos níveis de lipídios em pessoas com diabetes. Também é usada, embora sem comprovação científica, como anti-fúngica, anti-bacteriana e anti-oxidante. Há, ainda, estudos em andamento que buscam comprovar o uso da canela como alternativa para tratamentos complementares contra Alzheimer, esclerose múltipla e até o HIV.

É possível que ainda se leve muito tempo até a conclusão dos estudos que comprovem o sucesso do uso da canela em tratamentos alternativos. Mas a inserção da especiaria na dieta pode ser uma tentativa razoável para pessoas diagnosticadas ou pré-dispostas a desenvolver essas doenças. É preciso, porém, estar atento e não exagerar na dose.

Há dois tipos principais de canela disponíveis no mercado: a cassia, tipicamente chinesa, e a ceilão (Cinnamomum verum), considerada melhor. A variedade chinesa possui níveis mais elevados de cumarina, substância que, quando usada em excesso, pode causar problemas no fígado e levar a sangramentos. Médicos também alertam para o perigo de se ingerir a especiaria pura e seca. O ideal é misturá-la a líquidos ou a alimentos.

Para diabéticos, gestantes, lactantes e pessoas com câncer, é recomendável que se tenha orientação médica antes de inserir a canela na dieta.

Se você precisar encontrar um médico em qualquer lugar do Brasil, use o nosso site principal: www.procuramed.com.

Leia também na ProcuraMed:

Alzheimer e Parkinson podem estar ligados a exposição a pesticidas

Flavonóides protegem contra a doença de Parkinson

Esta postagem também está disponível em: Inglês